A volta ao de sempre

CLAUDER ARCANJO, Membro Correspondente da Academia Cearense da Língua Portuguesa

— Calma! Isso tudo vai passar.

Resolveu, então, ouvi-lo e resistir. As mazelas do isolamento consumiam-lhe o juízo, mas decidiu se submeter ao regramento imposto.

&&&

Certa manhã cobrou-lhe resposta, pálido e com as forças combalidas:

— Passou? Posso sair?

O amigo olhou-lhe com a ternura dos crédulos e asseverou:

— Logo, logo entraremos num novo normal. Nada será como antes. O sacrifício valerá a pena.

— …

Conteve o protesto; a engolir, cuspe amargo da revolta, o que sairia de sua boca após as reticências. E se enfiou, uma vez mais, na solidão.

&&&

Um ano depois a porta se abriu, e o seu amigo entrou, a anunciar:

— A cidade está livre! Novos dias, áureos tempos. Estamos em festa. A partir de agora nada mais será como antes.

Ele, então, fez a barba, aparou o bigode, vestiu o seu melhor terno, perfumou-se. Contudo, mal pôs os pés na rua, concluiu: “Estou de volta ao de sempre”.

“ACLP Unida”, a chapa completa

O Presidente da Academia Cearense da Língua Portuguesa, Prof. Teoberto Landim, recebeu nesta terça-feira, 15 de setembro, Requerimento no qual o acadêmico Marcelo Braga apresenta a composição completa da chapa “ACLP Unida”, por ele encabeçada, concorrente ao processo seletivo da Diretoria Executiva que conduzirá a entidade no biênio 2020/2022.

É o seguinte, na íntegra, o teor do documento:

REQUERIMENTO PARA O REGISTRO DA CHAPA

Ilmo. Sr.
Presidente da Academia Cearense da Língua Portuguesa

Senhor Presidente,

Eu, Marcelo Braga,  nos termos do Edital de Convocação da Eleição, publicado no dia 3/08/2020, conforme disposto em seu Estatuto, artigos 16 e 19, venho REQUERER, no prazo legal, a inscrição e o registro da Chapa ACLP UNIDA para concorrer ao processo seletivo da Diretoria Executiva da ACLP para o biênio 2020 / 2022. A chapa é composta pelos seguintes membros:

Presidente – Marcelo Braga
Primeiro-vice-presidente – Sebastião Teoberto Mourão Landim
Segundo-vice-presidente – Paulo Sérgio Lobão
Primeiro-secretário – Francisco Vicente de Paula Júnior
Secundo-secretário – Maria Margarete Fernandes de Sousa
Primeiro-tesoureiro – Sebastião Valdemir Mourão
Segundo-tesoureiro – Ana Vládia Mourão de Oliveira
Diretor de Publicação e Marketing – Italo Gurgel
Conselho Fiscal – Ritacy de Azevedo Teles; Maria Gorete Oliveira de Sousa; Antônio Vicente de Alencar

Nestes termos,
Pede deferimento.

Marcelo Braga

ACLP define data de escolha da nova Diretoria – Hora do Vernáculo discute BNCC

A Academia Cearense da Língua Portuguesa (ACLP) realizou nessa quinta-feira, 3, através de plataforma virtual, sua reunião ordinária do mês de setembro. Na ocasião, foi marcada para o dia 8 de outubro a realização da assembleia geral que elegerá a nova Diretoria da entidade para o biênio administrativo 2020/2022.

Na Hora do Vernáculo, a acadêmica Eulália Leurquin (Cadeira nº 33) apresentou trabalho de sua autoria e da confreira Margarete Fernandes (Cadeira nº 13) sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento que define o conjunto de habilidades e competências a serem desenvolvidas por todo jovem brasileiro ao longo de sua vida escolar.

A BNCC começou a ser discutida em 2015, tendo recebido milhares de contribuições em consultas e audiências públicas. A sociedade participou com mais de 12 milhões de contribuições na primeira versão, sendo que metade delas veio de 45 mil escolas. Em 2016, a segunda versão viajou por todos os estados. Através de seminários estaduais, cerca de 9 mil pessoas, entre educadores e alunos, debateram o documento em detalhes. Em abril de 2017, a terceira versão foi entregue ao Conselho Nacional de Educação (CNE), que ouviu opiniões em uma nova rodada de seminários regionais. Por fim, em dezembro de 2017, a BNCC foi homologada pelo MEC e passou a vigorar em todo o Brasil.

Segue-se resumo da palestra de ontem, distribuído, eletronicamente, pela Profª Eulália Leurquin:

A Língua Portuguesa na Base Nacional Comum Curricular e implicações para o Ensino e Aprendizagem

  1. Considerações gerais sobre a BNCC

A  Base Nacional Comum Curricular (BNCC) “é um documento de caráter normativo que define o conjunto orgânico e progressivo de aprendizagens essenciais que todos os alunos devem desenvolver ao longo das etapas e modalidades da Educação Básica” (BRASIL, 2017, p. 7).

A Língua portuguesa é um dos componentes curriculares, mas também é o idioma dos brasileiros. Ela faz parte da área Linguagens e suas tecnologias, juntamente com Arte, Educação Física e Língua Estrangeira (a língua inglesa). Na sua apresentação, o foco está no contexto social, alinhado aos cinco campos de atuação (Campo da vida cotidiana, artístico-literário, das práticas de estudo e pesquisa, da vida pública, jornalístico-midiático), onde acontecem as práticas sociais, mediadas pela linguagem em forma de gêneros textuais, semiotizados em textos (orais, escritos e/ou multimodais).

Com base nesta composição,  a centralidade do ensino e aprendizagem da língua portuguesa é o texto. Ele deve ser estudado nas práticas de linguagem (Leitura/Escuta, Oralidade, Produção de texto e Análise linguística/semiótica), também denominadas de práticas de linguagem ou Eixos, para desenvolver habilidades (há trezentas e noventa e quatro), articuladas aos objetivos previstos específicos para o Ensino Fundamental (temos dez). Dentre eles, destacamos:

Compreender a língua como fenômeno cultural, histórico, social, variável, heterogêneo e sensível aos contextos de uso, reconhecendo-a como meio de construção de identidades de seus usuários e da comunidade a que pertencem. (grifo nosso)

A proposta de ensino e aprendizagem da língua portuguesa ratifica um posicionamento já feito desde 1998 sobre a mudança da terminologia ensino da gramática para ensino de análise linguística. O argumento que dá base a esse posicionamento aponta para o fato de que o ensino da gramática distante da funcionalidade da língua não contribui para ampliar as competências comunicativas.

  • O ensino da Analise linguística/Semiótica

A atividade Análise Linguística/Semiótica se apresenta de maneira articulada com os dois eixos Leitura e Produção de texto. Esta articulação garante que o ensino da língua aconteça de maneira contextualizada porque a atividade de Análise Linguística/Semiótica 

 envolve os procedimentos e estratégias (meta)cognitivas de análise e avaliação consciente, durante os processos de leitura e de produção de textos (orais, escritos e multissemióticos), das materialidades dos textos, responsáveis por seus efeitos de sentido, seja no que se refere às formas de composição dos textos, determinadas pelos gêneros (orais, escritos e multissemióticos) e pela situação de produção, seja no que se refere aos estilos adotados nos textos, com forte impacto nos efeitos de sentido. (BRASIL, 2017, p. 77).

Portanto, três orientações são feitas:

  1. Formas de composição dos textos (coesão, coerência e progressão temática e ritmo, altura, intensidade, clareza de articulação, variedade linguística adotada, estilização etc. –, assim como os elementos paralinguísticos e cinésicos – postura, expressão facial, gestualidade etc);
  2. Estilo (léxico e de variedade linguística ou estilização e alguns mecanismos sintáticos e morfológicos);
  3. Textos multissemióticos formas de composição e estilo de cada uma das linguagens que os integram (cor, plano/ângulo/lado, figura/fundo, profundidade e foco, cor e intensidade nas imagens visuais estáticas, acrescendo, nas imagens dinâmicas e performances, as características de montagem, ritmo, tipo de movimento, duração, distribuição no espaço, etc).

De acordo com a BNCC, os conhecimentos grafofônicos, ortográficos, lexicais, morfológicos, sintáticos, textuais, discursivos, sociolinguísticos e semióticos estão concomitantemente, sendo construídos a partir das práticas de Leitura/Escuta e Produção de textos que oportunizam situações de reflexão sobre a língua e as linguagens

(…) em que  essas descrições, conceitos e regras operam e nas quais serão concomitantemente construídos: comparação entre definições que permitam observar diferenças de recortes e ênfases na formulação de conceitos e regras; comparação de diferentes formas de dizer “a mesma coisa” e análise dos efeitos de sentido que essas formas podem trazer/ suscitar; exploração dos modos de significar dos diferentes sistemas semióticos etc.(BRASIL, 2017, 79).

Sobre a dinâmica que move o ensino e aprendizagem da língua portuguesa, passaremos a tratar.

  • Os campos os conhecimentos linguísticos para o ensino de Língua portuguesa

Os campos os conhecimentos linguísticos relacionados a ortografia, pontuação, conhecimentos gramaticais (morfológicos, sintáticos, semânticos), entre outros são apresentados de maneira a articular habilidades, eixos e conhecimentos.

Exemplo 1:

Morfossintaxe

  • Conhecer as classes de palavras abertas (substantivos, verbos, adjetivos e advérbios) e fechadas (artigos, numerais, preposições, conjunções, pronomes) e analisar suas funções sintático-semânticas nas orações e seu funcionamento (concordância, regência).
  • Perceber o funcionamento das flexões (número, gênero, tempo, pessoa etc.) de classes gramaticais em orações (concordância).
  • Correlacionar as classes de palavras com as funções sintáticas (sujeito, predicado, objeto, modificador etc.

4.  Documento Curricular Referencial do Ceará

No Documento Curricular Referencial do Ceará (DCRC), ampliamos a tabela proposta pelo Ministério de Educação de forma a melhor contemplar a nossa proosta de ensino e aprendizagem da Língua portuguesa, conforme apresentamos:

Exemplo II:

  1. Componente
  2. Ano/ Faixa
  3. Campo de atuação
  4. Prática de linguagem
  5. Objeto de conhecimento
  6. Objeto específico
  7. Habilidade
  8. Competência específica
  9. Competência geral
  10. Interface com outros conhecimentos

(Eulália Leurquin e Margarete Fernandes)

Chapa “ACLP Unida” solicita registro

A Secretaria da Academia Cearense da Língua Portuguesa recebeu, nesta quarta-feira, dia 2 de setembro de 2020, solicitação de registro de chapa para concorrer ao processo seletivo da Diretoria Executiva que conduzirá a entidade no biênio administrativo 2020/2022. A chapa “ACLP Unida” está encabeçada pelo Prof. Marcelo Braga.

A Assembleia Geral para eleição de nova Diretoria será realizada no mês de outubro, em data a ser definida amanhã (quinta-feira, 3 de setembro), em reunião virtual marcada para as 20:00h. Nessa ocasião, o Presidente nomeará uma Comissão composta por três associados efetivos para dar encaminhamento ao processo eleitoral.

Segue-se transcrição do Requerimento endereçado hoje ao Presidente Teoberto Landim:

REQUERIMENTO PARA O REGISTRO DA CHAPA

Ilmo. Sr.
Presidente da Academia Cearense da Língua Portuguesa

Senhor Presidente,

Eu, Marcelo Braga,  nos termos do Edital de Convocação da Eleição, publicado no dia 3/08/2020, conforme disposto em seu ESTATUTO, artigos 16 e 19, venho REQUERER, no prazo legal, a inscrição e o registro da Chapa ACLP UNIDA para concorrer ao processo seletivo da Diretoria Executiva da ACLP para o biênio 2020 / 2022. A chapa é composta pelos seguintes membros:

Presidente – Marcelo Braga
Primeiro-vice-presidente – Sebastião Teoberto Mourão Landim
Segundo-vice-presidente – Paulo Sérgio Lobão
Primeiro-secretário – Francisco Vicente de Paula Júnior
Secundo-secretário – Maria Margarete Fernandes de Sousa
Primeiro-tesoureiro – Sebastião Valdemir Mourão
Segundo-tesoureiro – Ana Vládia Mourão de Oliveira

Nestes termos,
Pede deferimento.

Marcelo Braga

Edital para o processo seletivo dos membros da Diretoria da ACLP para o biênio 2020/2022

A ACADEMIA CEARENSE DA LÍNGUA PORTUGUESA, representada pelo Presidente Sebastião Teoberto Mourão Landim, atendendo ao disposto em seu ESTATUTO, artigos 16 e 19, e o estabelecido nas normas regimentais, especialmente nos artigos 55 e 56, abre inscrição para o processo eletivo dos membros da Diretoria para o biênio 2020/2022, em data a ser definida na sessão ordinária do dia 3 de setembro, de 2020, conforme orientações a seguir:

CAPÍTULO IX
Do processo eletivo para a Diretoria

  1. Art. 55. A Assembleia Geral para eleição de nova Diretoria para o mandato de 2 (dois) anos será realizada no mês de outubro, em data marcada com, pelo menos, um mês de antecedência, pelo Presidente, o qual nomeará uma Comissão Eleitoral composta por 3 (três) associados efetivos.

§ 1º – As inscrições das chapas para concorrerem à Diretoria encerram-se 10 (dez) dias antes da data marcada para a eleição, conforme edital previamente divulgado na página eletrônica da ACLP.

§ 2º – No caso de carência de Associado Efetivo em pleno gozo de seus direitos para preenchimento da chapa, poderá, excepcionalmente, ser realizada eleição para a Diretoria em 2 (dois) turnos em datas diferentes, contanto que no primeiro turno haja preenchimento dos seguintes cargos: Presidente, Primeiro-vice-presidente, Primeiro-secretário e Primeiro-tesoureiro.

§ 3º – Os demais cargos deverão ser preenchidos em eleição de segundo turno, obedecendo aos mesmos trâmites do processo eletivo em data marcada pelo Presidente eleito, não devendo ultrapassar a 30 (trinta) dias do primeiro turno.

§ 4º – Será vitoriosa a chapa que obtiver, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) mais um dos votos dos acadêmicos votantes.

§ 5º – Após a assinatura da ata de eleição, as cédulas de votação serão incineradas, não cabendo mais recursos quanto ao resultado.

Art. 56. O voto pode ser sufragado pessoalmente ou por escrito, enviado em envelope lacrado, via correio ou por terceiro, desde que seja mantido o sigilo, constando nele a identificação do associado votante ausente, porém em dia com a tesouraria da ACLP.

§ 1º – Só poderá candidatar-se a cargo da Diretoria da ACLP o associado efetivo que estiver em dia com a Tesouraria até o mês anterior ao da eleição e com frequência mínima de 50% (cinquenta por cento) nas sessões dos 12 (doze) meses anteriores.

§ 2º – Após completar 80 (oitenta) anos, o Acadêmico Efetivo poderá votar e ser votado, não lhe sendo mais exigidos os quesitos referentes à frequência às reuniões e ao pagamento das mensalidades.

Fortaleza, 13 de agosto de 2020.

Sebastião Teoberto Mourão Landim
Presidente da ACLP

Estudante em nosso espelho!

Profª RITACY AZEVEDO, membro titular da Academia Cearense da Língua Portuguesa – Cadeira nº 23

Quem é você, estudante?
Para si,
Para mim,
Para o outro?
Para o seu lugar?
Para o mundo?
Para si?!!

Que tamanho tem você no espelho, estudante?
Em quantos graus ele o amplia?
O que faz nele? Para quê? Para quem?
E por quê! E como faz? E por quê?

Quem é você no nosso espelho da vida?
Em que posição se vê?

Eu o vejo refletido, estudante!
Eu já o vi tanto em dúvida!
Eu já o vi levado no vento!
Eu já o vi rolando na onda!
Eu já o vi cansado e sem rumo!

Mas já vi outro em você!
Você crescido no espelho!

Finque o pé, estudante!
Pegue prumo!
Finque o pé!
Deixe passar o vento,
Com seus tantos outros seres, cenas e visões!

Finque o pé!
Fique um pouco!
Defina-se para tentar acertos!
E saia tirando firme o pé da areia frouxa que tentar retê-lo!
Segure o corpo bamba que tenta seguir a leva!

Finque o pé, estudante!
Você não mudará tudo!
Não mudará o vento, não mudará as ondas!
Não mudará a todos!
Mas poderá mudar a si!
Poderá mudar a mim e a tantos outros seres como tu!

Você mudará uma fatia do mundo!
Lute contra o vento!
Finque o pé!

Ritacy  Azevedo, 11/08/2020