Tríptico literário [Releitura de três obras]

VIANNEY MESQUITA, membro titular da Academia Cearense da Língua Portuguesa – Cadeira nº 37

Oh, morte, como é amara tua lembrança, como rápida é tua vinda, como são ocultos os teus caminhos, como é duvidosa tua honra, e como é universal teu domínio! (Frei Luís de Granada. * Granada, 1505; Lisboa, 1588 23 anos!).

1 TANATOLOGIA – Vida e Morte no Dia a Dia

Por via da tradição, talvez religiosa cristã e no decurso dos tempos, eram praticamente proibidas na cultura do Ocidente reflexões atinentes a este tão natural fenômeno do decesso corporal, trânsito anímico, trespasse, exício da vida, antônimo perfeito do nascimento, verdade implacável. Morte.

Tema eivado de tanto preconceito, matéria a que se atribui, ainda, caráter de interdito, hoje o assunto perde, a pouco e pouco, seu mistério e é concertado, com frequência, em várias ocasiões e diversos lugares, mormente na ambiência universitária, onde se examinam com profundidade a origem, produção, conservação, repasse e progresso do conhecimento na sua mais extensiva amplitude temática.

O argumento do ocaso vital, evento imprescritível para aquele que viu aparecer a luz, mostra inexoravelmente sua extinção, cedo ou tarde, normalmente ou de inopino, por caducidade natural ou morbidade, ao nos fazer divisar, entre o ser extinto e o vivo, a mesma diferença entre a matéria bruta e a substância ativa.

Diversamente dos fatos ocorrentes nos organismos unicelulares, nos quais não há, necessariamente, fatalidade, a morte dos seres complexos é consequência inevitável da maquinaria anímica, a qual, ajuntando nos tecidos produtos acessórios, lentamente destrui a energia dos aparelhos até a supressão total.

A fim de conduzir esta reflexão ao patamar da naturalidade dos tratos mais ordinários – como os relativos à vida e à ciência – a sociedade inteligente descortinou uma teoria ordenada no tocante à morte, suas causas e eventos, especialmente o estudo dos mecanismos psicológicos empregados para superar os efeitos do fenômeno nas mentes de quem prossegue ou está na iminência de finar-se.

Amparadas nas conjecturas da Tanatologia, sub-ramo científico da Psicologia, as equipes de saúde desenvolvem, diuturnamente, em nosocômios de todo o Mundo, esse custoso ofício/arte de conceder refrigério, transpondo o corpo doente, prestes a consumir-se, e dedicando auxílio e conforto às almas atormentadas pela proximidade do próprio fim ou martirizadas com a imediação do termo existencial de uma pessoa dileta.

Convergindo à regular quantidade de trabalhos literoacadêmicos referentes a este moto de ascensa relevância, no Brasil, e de indescartável aplicação prática, em particular nos hospitais, os professores Annatália Gomes e Erasmo Ruiz Miessa escreveram um livro oportuníssimo, no qual reflexionam, com esmerado preparo e zelo, sobre a relação correta a ser estabelecida entre os profissionais de saúde e os doentes de quem cuidam holisticamente, em especial os enfermos de moléstias em quadro terminal, numa demonstração cabal dos aprestos intelectuais e do desvelo humanitário de ambos, ora ao bom serviço dos seus pares.

A obra Vida e Morte no Cotidiano (EdUECE)reflexões com o profissional de saúde – constitui aditamento valioso à literatura nacional do gênero, razão por que há de ser adotado nos diversos programas universitários de graduação, mestrado e doutorado, onde se estuda a analogia vida-morte, bem assim na formação em serviço do pessoal dos hospitais e congêneres.

Seus consulentes terão neste volume o romaneio correto e seguro para o desempenho de suas nobilitantes ações de intermediação paciente/doença grave, extensivamente aos seus componentes familiares, cujo padecimento à beira do leito será sensivelmente mitigado com a recepção das ideias aqui veiculadas, magnificamente expressas.

Da morte a férrea lei não se derroga./ Nas páginas fatais é tudo eterno! O que se escreve ali jamais se risca. (Manuel Maria Barbosa Du BOCAGE. *Setubal, 1765-+1805).

2 O DRAMA DO PACIENTE TERMINAL

A literatura, recorrentes vezes, recomenda-nos certas cautelas para que, ante a excessiva especialização dos conhecimentos, não percamos de vista as grandes conexões da ciência. De tal sorte, a interdisciplinaridade é praticada sempre mais pelos compositores do saber novo, o que significa o aporte dos melhores resultados, devolvendo às ideias parcialmente unificadas pela ciência o caráter de horizontalidade.

O ideário científico, de efeito, sejam quais forem as vertentes e taxinomias, opera constantemente sob relações e a consorciação de saberes é natural no decurso investigativo em demanda à certeza relativa, consoante orienta a Filosofia da Ciência.

Dessa maneira, compreensões aliadas são, muita vez, necessárias para realização de novéis sub-ramos da indústria humana, como ocorre, verbi gratia, com Bioestatística, Fisico-Química, Sociologia Jurídica, Economia Política, Jusfilosofia, Biônica e tantas outras comunhões de interesses metodológicos a servirem às causas epistemológicas.

Na linha raciocinativa deste ensaio de apreciável força de pesquisa, da autoria da Professora Doutora Preciliana Barreto de Morais, ela se favoreceu da Ciência de Augusto Comte (*Montpellier, 19.01.1798; +Paris, 05.09.1857), bem como de saberes correlatos, para interpretar, ao lume da dita Sociologia, situações extremas de clientes portadores de males terminais, sob os cuidados das equipes multiprofissionais, nos leitos e, na crescente falta destes, até em macas e cadeiras, no desconforto final da vida no interior e umbrais das casas de saúde.

Pungente e contagiante é a dor de quem guarda a certeza de que se vai dentro em pouco. Preocupantes as dúvidas e impasses daqueles a quem se cometeu a tarefa de cuidar dos pacientes acometidos de moléstias, a maioria das quais a Medicina ainda não controlou, como certas síndromes e alguns cânceres.

Há, decerto, falhas de comunicação das equipes, particularmente em virtude de formações defeituosas. “Os livros somente ensinam sobre o comportamento do tumor” – queixa-se um sextanista, que remata: “E a conduta psicológica do doente?”

Faltam, na escolaridade e prática funcional de psicólogos, enfermeiros, médicos, fisioterapeutas e outros agentes do cuidado, informações relevantes de natureza interdisciplinar, quando não para a reabilitação impossível, pelo menos na direção de abreviar o transe ou diferir a vida por algum tempo.

Evidentemente, enquanto perdurar esta situação – configurada no fim da existência dos pacientes, vacilações e embaraços das equipes multifuncionais, sujeitos da pesquisa da Autora – esses clientes vão prosperar como atores na ribalta da tragédia. O livro de Preciliana de Morais – atual docente da Universidade Estadual do Ceará – constitui libelo responsável e claro ao sistema educacional e de atenção à saúde no País, sendo, por este pretexto, fonte de fé para alicerçar investigações similares e embasar novas e urgentes políticas públicas para o setor.

… Por isso, oh Morte! Eu amo-te e não temo./ Por isso, oh Morte, eu quero-te comigo./Leva-me à região da paz horrenda!/Leva-me ao Nada, leva-me contigo! (Luiz José de JUNQUEIRA FREIRE. *Salvador, 31.12.1832; +24.6.1855 – 23 anos!).

3 PACIENTE MUITO ESPECIAL

Resulta deveras compensador o fato de se exercitar constantemente a observação, para dar asas ao talento criador.

Das atividades seculares do espírito, a que mais enleia parece ser a boa leitura, que possibilita a produção de um escrito escorreito, de uma alocução bem concatenada, porquanto vazada em códigos precisos e significações perfeitamente arrazoadas.

Somente a prática dial do exame atento sobre as coisas, bem como o adjutório da ação de ler – sem o que a observação fica limitada – são suficientes para se estabelecer uma mensagem límpida, sem vieses nem ruídos, decomponível com a máxima lucidez por quem a recebe.

Obviamente, há estruturas textuais bem mais leves e fáceis, acessíveis a maior quantidade de pessoas, nomeadamente os esquemas verbais constituídos com suporte na opinião comum. Até aqui, a langue e a parole  saussureanas correm mais livres, obedientes apenas às muitas regras da Língua Portuguesa. (Ferdinand Saussure – *Genebra, 26.11.1857; + Morges, 22.02.1913).

A situação começa a complicar, porém, quando se joga com a certeza relativa do fato científico, não raro se misturando – em sua manifestação oral ou grafada – com as elucubrações espirituais, a fim de dar conformação ao estilo. Mais complexo, ainda, se configura o texto (ou a fala), se a manifestação da verdade científica disser respeito às relações Homem/Natureza. O embaraço se proporciona, consideravelmente, se este Ser for criança, e caso a criança seja doente, e essa moléstia tenha gravidade, dolorosíssima, fatal, óbito iminente …

O Mundo e a História, entretanto, estão cheios de artistas que receberam o dom evangélico e o sopro paráclito da escrita, com incidência menor da dificuldade de estruturação. Eis que, no livro sob escólio, dá-se o caso de uma socióloga, com a função principal de pequena empresária, que achou de estudar a freguesia de instituição especial – a Casa do Menino Jesus, em Fortaleza-CE, cujos clientes se acham em várias fases de C.A.

Rossana Guabiraba discorre sobre o meritório trajeto de acompanhamento dos pequenos enfermos, em texto deveras comovente, haja vista as condições dos sujeitos em relação na sua pesquisa de cunho acadêmico. Entre outras recomendações de ordem humana e humanitária, a Autora indica encarecidamente aos leitores a necessidade de se procurar conhecer os estertores e consequências da morte, a fim de que o transe do cliente e dos circunstantes seja abrandado com o aceite da realidade, abraçando a resignação ante um sucesso irrecorrente.

Nesse poema de amor amplo e celeste – lembrando o simbolismo poético de Alphonsus de Guimaraens (Ouro Preto, 24.07.1870; Mariana, 15.07.1921) – Rossana alcançou a composição de um escrito claro e correto, de leitura cristalina, no qual impôs o vigor de pesquisadora, estruturando-o teoricamente com especialistas acreditados perante a comunidade investigadora de temas afins, com a vantagem de haver evitado compromisso com as desproporções da tanatologia esotérica, não científica, a qual transita solta entre os desavisados.

O escrito de Rossana Guabiraba, embora tenha o continente rápido como o decurso da doença referida, pontilhada de tanta amargura, possui conteúdo de grande alcance, pelo que deve ser lido e debatido, pois, decerto, vai servir de norte a outros estudiosos que intentem revolver o tema sob ângulos mais diversificados.