ACADEMIA CEARENSE DA
LíNGUA PORTUGUESA

dulcisonam et canoram linguam cano

A Pontuação vai além dos pontos

Jose Olimpio Araújo
  1. O que é pontuação?

 

Sentido etimológico (João Henrique): A palavra pontuação vem do termo latino punctuare (de punctum).

Pontuação, etimologicamente, é, pois, “a ação de pontuar, ou seja, de empregar corretamente os sinais de pontuação na escrita”.

Para Alexandre Passos, “a pontuação destina-se a dar, imediatamente, ao leitor, a ordem lógica do pensamento.” (…) O fim, pois, da pontuação é a clareza da linguagem, a qual por sua vez, leva clareza ao pensamento e distinção às ideias”.

Afirma Douglas Tufano: “Os sinais de pontuação são recursos que usamos na escrita para indicar as pausas ou a entonação de leitura, para realçar algum elemento ou para deixar claro o sentido da frase, evitando ambiguidades ou equívocos.”

Muito interessante também o pensamento de Mauro Ferreira: “O emprego dos sinais de pontuação contribui para a organização textual e, consequentemente, para a clareza e para a eficiência comunicativa do texto; muitas vezes é também fundamental para a expressividade dos enunciados”.

Resumindo:

A pontuação inclui sinais e procedimentos. Assim, podemos perceber a importância das pontuação, na escrita, e na oratória; e podemos considerá-la em dois sentidos restrito e amplo.

Pontuação em sentido restrito – emprego  dos tradicionais sinais de pontuação: ponto, vírgula, dois-pontos, ponto e vírgula, ponto de interrogação, ponto de exclamação, travessão, etc., visando, principalmente, às pausas, entonação de voz e ênfase.

Pontuação em sentido amplo – abrange toda a estruturação e organização de um texto (e do livro), através de sinais e procedimentos convencionados: o emprego parágrafos, alíneas e incisos, do apóstrofo e do asterisco; certos usos do hífen e da barra; os grifos em geral (itálico, negrito, sublinhado, etc.); as esquematizações; tamanho e fonte das letras; cores; o formato do texto, margens, espaços, divisões, subdivisões…

  1. Pontuação: finalidade e funções

 

Finalidade (ou função) principal: auxiliar na coesão, coerência, elegância e clareza do texto

Pausas e entonação da voz

Realce e expressividade

Distinção de elementos

Separação e estruturação

Apoio

Pontuação subjetiva

Pontuação objetiva

Pontuação distintiva

Pontuação subsidiária

Coesão

Coerência

Elegância

Clareza

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os sinais de pontuação quanto à função:

 

→ Predominantemente melódicos, ou seja, indicam pausa emocional: o ponto de interrogação ( ? ); o ponto de exclamação ( ! ); as reticências ( … ); o travessão (– ); os parênteses ( (  ) ); as aspas, simples ( ‘ ’ ) e duplas ( “ ” ).

→ Predominantemente pausais: o ponto ( . ) – indicando pausa conclusiva; a vírgula ( , ), o ponto e vírgula ( ; ) e os dois-pontos ( : )– indicando pausa não conclusiva.

→ Sinais estilísticos, de destaque, ou ênfase: a vírgula, o ponto e vírgula, os dois-pontos, as aspas, o travessão, os parênteses (estes principalmente);

→ Sinais distintivos certos empregos dos sinais de pontuação quando identificam ou separam dados ou elementos, ou partes do discurso, e outras indicações específicas (na comunicação linguística).

. → Sinais subsidiários os sinais que servem de apoio em linguagens técnicas e científicas, segundo normas e convenções específicas. Ex.: o emprego dos sinais na Matemática.

 

Observações:

1ª) A pausa e a melodia vêm associadas.

2ª) Como lembra Joaquim Mattoso Câmara Júnior (Manual de expressão oral e escrita), a pontuação é usada “para suprir, na escrita, a ênfase dada pelo tom de voz, a mímica, incluindo-se a expressão fisionômica e o jogo de pausas e cadências da linguagem oral. (…) mas nunca de maneira absoluta no que se refere à correspondência entre as pausas de suspensão rápida de voz e as vírgulas, porque por uma convenção tradicional as razões de ordem lógica [ou seja, sintática] interferem aí com as de natureza meramente rítmica”. Portanto, entre os sinais pausais, consideremos também a função de separação dos termos da frase.

3ª) Os sinais de pontuação, em geral, têm potencial enfático.

  1. Origem e evolução histórica da pontuação

 

Finalidade inicial. “A pontuação surgiu para ajudar as pessoas a ler em voz alta. Até alguns séculos atrás, a maior parte da população não sabia ler e, por isso, as poucas que sabiam precisavam ler em voz alta. Para ajudar essas pessoas na Antiguidade, sinais conhecidos como “pontos’ eram adicionados às páginas dos textos. (…) Esses pontos indicavam aos leitores quando deveriam fazer uma pausa ou respirar, e o que deveriam enfatizar.” (Úrsula Dubosarsky)

A pontuação remonta da Antiguidade, antes mesmo dos manuscritos em papiros e pergaminhos. Vem da longínqua época de inscrições em pedras, muralhas e túmulos, Entre os séculos II e IV a.C.

→ O ponto. Primeiro sinal registrado. Surgiu, não com a função de pausa, mas como sinal distintivo: para separar as palavras, que eram escritas com todas as letras maiúsculas, e estas a igual distância um as das outras; e nas abreviações de palavras.

→ Os antigos também separavam as palavras com dois ou três pontos alinhados verticalmente, ou em triângulo, em quadrado, em rombo, ou em losango; há registros xX; outros com um pequeno círculo em preto ou em branco; com desenho, como uma cruz, um coração; e até ramos de folhas.

Aristóteles (séc. IV a.C.) conhecia o uso dos pontos. Nos seus manuscritos(Rhetorica), lamentava não poder fazer pausa nos escritos de Heráclito.

Cícero (De Oratore, séc I a. C.) alude a sinais destinados a pausas e modulação de voz na leitura (‘libreriorum notae, notas dos livreiros ou dos leitores).

→ Aristófanes de Bizâncio (séc. II a.  C.). Separava os diferentes membros do discurso por meio de três sinais: o ponto perfeito, para indicar a conclusão do sentido, colocado à extremidade superior da última palavra; o subponto, posto na posição do ponto atual, mas indicando a suspensão da frase, ou seja, a pausa para respiração equivalente a dois fôlegos; e o ponto médio, posto em meia altura da última letra, indicava um sentido ligeiramente suspenso pela ponto. Correspondiam essas anotações, respectivamente, aos nossos modernos ponto, dois-pontos e vírgula. E a alínea, que serviu algumas vezes para separar os membros ou submembros do discurso, formando versículos. Mais tarde, segundo os beneditinos, São Jerônimo introduziu esta distinção, por versículo ou verseto, nos manuscritos da Santa Escritura, a fim de facilitar a leitura.

Até o séc. IX da Era Cristã, faltou uniformidade, e mesmo emprego, na pontuação. Mas, neste século, houve certo predomínio do ponto seguindo Aristófanes (nas três posições), especialmente pelos latinos; o ponto e vírgula é usado no fim de frase, para marcar as interrogações.

No séc. X, no império de Carlos Magno, se deu a latinização das denominações gregas dos sinais: koma (= tronco) passou a incisum (= que corta ou separa palavras), depois vírgula em português – embora em espanhol continue coma; kolon passou a membrum (= membro), depois punctum.

No século XV, a invenção da imprensa disseminou o sistema de pontuação. Especialmente com o aparecimento dos livros modernos, porque os primeiros impressores não seguiam as regras existentes de pontuação, ainda não universalmente observadas nesse século.

Séc. XVI,

Surge o hífen. Segundo João Ribeiro (apud Alexandre Passos) uma pequena figura semelhante a um arco de círculo), “posto acima e no fim da palavra para indicar estreita ligação com o vocábulo seguinte”.

Antenor Nascentes (apud Jorge Viana de Moraes) tem versão diferente sobre a origem do hífen: “Chamado divisão por Duarte Nunes de Leão e conjunção por Madureira Feijó, era formado por um traço pequeno horizontal, um v e outro traço horizontal. Perdeu depois o v e os dois traços foram reduzidos a um”.

O impressor francês Guillemin inventa as aspas (guillemets, em francês). Antes, o discurso direto era marcado por um grifo, como o sublinhado. Aparecem os grifos ou itálicos, como usamos hoje.

O gramático português João de Barros (também no séc. XVI) chama de pontos as notações sintáticas.

(séc. XVII):

Duarte Nunes de Leão lista: a vírgula, o ponto, o ponto e vírgula (embora não lhe dê este nome), o ponto interrogativo, o ponto admirativo, o parágrafo e o meio círculo; e ainda, as reticências e o travessão.

O ponto interrogativo representado por uma variante em forma de gancho da letra Q, abreviatura da palavra latina QUAESTIO (pergunta); e a última letra dessa palavra representando o ponto inferior do sinal.

No século XVIII:

João de Morais Madureira Feijó, em Ortographia ou arte de escrever e pronunciar com acerto a língua portugueza (1739), cita os dois pontos e o parêntesis com a forma atual; apresenta o sinal §, significando signum sectionis, sinal de seção ou divisão; e ainda outras notações léxicas, entre as quais, o asterisco e o apóstrofo.

O símbolo do parágrafo era então um triângulo retângulo com um dos lados numa linha horizontal superior e outro numa vertical.

Somente no séc. XIX, passa-se a escrever com mais rigor de pontuação. Acumulação de todo esse cabedal histórico. Contudo, lembra o Prof. João Henrique que escritores famosos não o faziam. E cita Alexandre Dumas, que se notabilizou “por sua parcimônia, quase, diríamos escassez de emprego de sinais”.

 

  1. Curiosidades atuais.

 

Segundo Dubosarsky, o interrobang ( ), foi patenteado por Martin Speckter, em 1962, para substituir o emprego simultâneo do ponto de interrogação e do ponto de exclamação.

Não vingou. Teria sentido? Um sinal indicar essas diferentes pausas melódicas (as sequências ?! / !?)?. Vamos conferir:

Que país é este?! / Que país é este!?

Outro fato curioso é o que está ocorrendo com o travessão. Vê-se o uso de um só sinal (o traço menor ou o maior) tanto para o hífen, quanto para o travessão, sobretudo nos jornais,

Será que tal procedimento vai vigorar?

A barra ( / ), um dos mais novos sinais de pontuação tem largo emprego, quer substituindo o hífen, ou parênteses, quer em aplicações próprias.

Sobre parêntese, parênteses, parêntesis (orientação ortográfica):

O parêntese (cada parte deste sinal, a abertura ou fechamento; a inserção cercada por esses sinais; desvio da conversa; sinal matemático).

Os parênteses: o sinal com as duas partes.

O parêntesis, os parêntesis (s. c. de gên.).

Abrir parêntese. / Abrir parêntesis. Fechar parêntese. / Fechar parêntesis. Escrever entre parênteses. / Escrever entre parêntesis.

Dubosarsky alerta ainda para o fato de que a pontuação muda inclusive geograficamente. A interrogação, por exemplo, no grego é assinalada pelo ponto e vírgula; no árabe, o mesmo sinal que usamos em português, mas posto no início da frase, com a abertura ao contrário; já o espanhol, além do ponto de interrogação no final da frase, põe outro no início, de cabeça para baixo. Holandeses e finlandeses usam como aspas os sinais <<  >>.

  1. Fontes bibliográficas:

ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Gramática Metódica da Língua Portuguesa. 46. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro:: Lucerna, 2004.

BELTRÃO, Odacir & BELTRÃO, Mariúsa. A pontuação hoje; normas e comentários. 3. ed. S. Paulo: Atlas, 1999.

CAMARA JÚNIOR, Joaquim Mattoso. Manual de expressão oral e escrita. Petrópolis: Vozes, 1986.

CUNHA, Celso & CINTRA, L. F. Lindley. Nova Gramática do português contemporâneo. 5. ed. S. Paulo: Lis Gráfica e editora, 2008.

D’ÁVILA, Suzana. Gramática – uso & abuso. São Paulo: Editoras do Brasil, 1997.

FARACO, Carlos Emílio, MOURA Francisco Marto de & MARUXO JR. José Hamilton. Gramática Nova. São Paulo: Ática, 2012.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da língua portuguesa. Ed. Nova Fronteira.

FERREIRA, Mauro. Aprender e Praticar Gramática. São Paulo: FTD, 2011.

GARCIA, Othon Moacyr. Comunicação em prosa moderna; Aprenda a escrever, aprendendo a pensar. 6. ed. Rio de Janeiro: Ed. Da Fundação Getúlio Vargas, 1977.

HENRIQUE, João. Pontuação; sua história e emprego. Porto Alegre: Oficina Gráfica do Instituto Técnico Profissional do R. G. S., 1941.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro Salles & FRANCO, Francisco M. de M. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

LAURIA, Maria Paula Parisi. A Pontuação. S. Paulo: Atual, 1989.

LUFT, Celso Pedro. A Vírgula; considerações sobre o seu ensino e o seu emprego. 2. ed. S. Paulo: Ática, 1998.

PASCHOALIN & SPADOTO. Gramática; teoria e exercícios. São Paulo, FTD, 2008.

Passos, Alexandre. A Arute de pontuar (notações sintáticas). Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti. 1959:

PROENÇA FILHO, Domício. Noções de Gramática em tom de conversa; língua portuguesa. S. Paulo: Ed. do Brasil, 2003.

SACCONI, Luiz Antonio. Nossa Gramática: Teoria e prática. 20. ed. S. Paulo: Atual, 1994.

——————————. Novíssima Gramática Ilustrada Sacconi. São Paulo: Nova Geração, 2008.

SELEÇÕES READER’S DIGEST. Rio de Janeiro: Plural Editora e Gráfica, nov. 2008.

TUFANO, Douglas. Estudos de Língua Portuguesa; Gramática. 3. Ed. São Paulo:  Moderna, 1996.

https://educacao.uol.com.br (Sinais de pontuação – Origem histórica dos sinais. Jorge Viana de Moraes)

                   OLÍMPIO ARAÚJO

                   CADEIRA 21

Compartilhar

Fundada a 28 de outubro de 1977 Rua do Rosário, 1 – Centro CEP 60055-090 Fortaleza – Ceará – Brasil

ACADEMICOS

INSTITUCIONAL

TEXTOS