A volta ao de sempre

CLAUDER ARCANJO, Membro Correspondente da Academia Cearense da Língua Portuguesa

— Calma! Isso tudo vai passar.

Resolveu, então, ouvi-lo e resistir. As mazelas do isolamento consumiam-lhe o juízo, mas decidiu se submeter ao regramento imposto.

&&&

Certa manhã cobrou-lhe resposta, pálido e com as forças combalidas:

— Passou? Posso sair?

O amigo olhou-lhe com a ternura dos crédulos e asseverou:

— Logo, logo entraremos num novo normal. Nada será como antes. O sacrifício valerá a pena.

— …

Conteve o protesto; a engolir, cuspe amargo da revolta, o que sairia de sua boca após as reticências. E se enfiou, uma vez mais, na solidão.

&&&

Um ano depois a porta se abriu, e o seu amigo entrou, a anunciar:

— A cidade está livre! Novos dias, áureos tempos. Estamos em festa. A partir de agora nada mais será como antes.

Ele, então, fez a barba, aparou o bigode, vestiu o seu melhor terno, perfumou-se. Contudo, mal pôs os pés na rua, concluiu: “Estou de volta ao de sempre”.

Compartilhar