Pílulas para o silêncio (Parte CXXXVIII)

CLAUDER ARCANJO, Membro Correspondente da Academia Cearense da Língua Portuguesa

O futuro é um punhado
de cinzas que o vento semeia.
(Francisco Carvalho, em “Futuro”)

Tentei antecipar minha passagem final, afoito e agoniado; mas, ao chegar diante de Caronte, o óbolo que lhe levava era uma moeda de papel. Nele, os rabiscos de um verso tosco e desenxabido. De lembranças, nenhum dito. Ele me olhou, com olhos de fúria e espanto, e me ordenou que cá voltasse. E, como castigo, prendeu-me aqui com elos de humildade a escrever, com fogo e sangue, tudo aquilo que eu julgava de todo esquecido.


Seu futuro terá o tamanho do metro do seu presente. E, acredite, a mesma marca do tecido do passado.


As cinzas que jogares com fúria frente aos passos dos outros obstarão os olhos teus.

As cinzas as quais, com zelo e denodo, ofertares ao terreno de outrem, estas, suprema graça, adubarão as árvores que ofertarão os frutos que alimentarão os teus.


Todo futuro nasce na esquina de outrora, no passo lento do agora. O tempo verdadeiro não suporta o mal-agradecido que teima em driblá-lo com atalhos.


Vem cá, mergulha no meu silêncio, e vê se ainda estou aqui. Se não escutares nada, saibas: eu cá comigo estou.


Notei que Caronte, antes de retornar, me deixou uma passagem aberta de volta, mas me pediu para escolher a data. Desde então, Hades corre lentamente no fundo do meu esquecimento.

O capão

RAIMUNDO DE ASSIS HOLANDA, membro titular da Academia Cearense da Língua Portuguesa – Cadeira nº 22

Minha mãe criava galinhas, galinhas de capoeira, para uns, galinha pé duro, para outros. Não conto as vezes em que saboreamos galinha à cabidela, com pirão de farinha de mandioca. Prato apreciado em todo o nordeste brasileiro. Ingredientes deste prato: pedaços de várias partes da galinha, ensanguentados com o sangue da penosa.

Mamãe sabia com maestria preparar um capão. Coitado do franguinho. Com faquinha bem amoladinha, ela extraía os quimbas do galinho. Ficava este confinado no chiqueiro, para engorda.

Miguelino adora capão. Mora ele nas brenhas do sertão nordestino, em casa de taipa, construída em um capão de mato. Era homem trabalhador, da roça. Ágil no manuseio do machado e da foice. De repente, o roçado estava pronto para a semeadura de milho e feijão. Jerimum e melancia cresciam no barreiro, depositário de casca de banana, manga, caju, formando, com o tempo, composto orgânico. Daí, os nutridos jerimuns caboclos e de leite, e melancia, doce que nem mel.

Miguelino, de namoro firmado com Roseli, moça fagueira, cabelos de graúna, caídos até a cintura. Os pais consentem namoro, mas Miguelino não ia amassar banco por muito tempo. O fato é que logo casaram.

Os noivos foram festejados com dois saborosos pratos: galinha à cabidela e cevado capão.

Nos idos do século XX, nas brenhas do sertão nordestino, era costume: a noiva ficava uma semana retida na casa dos pais. Lua de mel só depois desse período.

Roseli era perita nos bilros. Tecia lindos Ós, rendas, de vários desenhos. A venda do produto auxiliava na manutenção da casa. Os meses foram passando, na contagem da vizinhança, mais de nove meses, e nada de a barriga de Roseli aumentar. Aí começam os titis. Onde estará o problema? Nele ou nela?

Em segredo com as amiguinhas, confidenciava ela que o ritual era seguido à risca.

Nesses dez meses de casada, mensalmente, a regra aparecia.

Roseli consegue convencer Miguelino a procurar médico. Teria que se deslocar até a cidade mais próxima, distante cinquenta quilômetros.

-Home, procura um médico, aliás, vamos os dois. O médico nos examinará e descobriremos se o “defeito” está em mim ou em ti. E assim foi feito.

Após o exame de Roseli, o diagnóstico sugere que ela não tem nada que impeça uma gravidez.

Causa da infertilidade está em Miguelino. O médico chama-o de lado e diagnostica:

– Miguelino, o amigo é capão.

Retorna à casa, junto com a mulher, mas muito capiongo. Uma tristeza que fazia dó. O dilema: o que vou dizer para Roseli?

Um dia, tomou coragem, chama a mulher na camarinha e dá-lhe a notícia. Roseli arregala os olhos, cheia de surpresa, sai-se com esta pérola:

– Foi tua mãe quem fez isso quando tu eras garotinho?

(Assis Holanda – Agosto de 2019)

Malinações em pleno expediente

VIANNEY MESQUITA, membro titular da Academia Cearense da Língua Portuguesa – Cadeira nº 37

A ociosidade é a mãe de todos os vícios.
(Dito lusitano).

A ociosidade é a mãe de todos os vices.
(Paródia do Mons. Francisco SADOC DE ARAÚJO.
Sobral, 17.12.1931).

De certa feita, abri a porta da Vice-Reitoria da Universidade Federal do Ceará, com o fito de cumprimentar, no modo ordinário de fazer, o então vice-reitor e meu amigo, Professor Doutor Ícaro de Sousa Moreira, hoje na Casa do Pai. Eis que, por mim inesperado, esse atilado arturo-scottiano dirigia uma “távola retangular” com umas quinze ou mais autoridades acadêmicas. Só depois, soube que o reitor, Professor Renê Teixeira Barreira, estava de viagem. Escabreado, ia fechando, quando ele disse:

– Entre, professor. Quer alguma coisa?

– Não. Apenas cumprimentá-lo. E a todos.

Então, para não passar batido, fiz esse comentário: – Magnífico: você está desdizendo a paródia cunhada pelo Monsenhor Sadoc!

– Qual é a paródia?

A ociosidade é a mãe de todos os vices. Risada geral.

Comentada para abrir estas lérias a dita paródia, remeto-me à crônica Folha de Dezembro, saída no medium da Academia Cearense de Literatura e Jornalismo, a fim de recordar o ócio praticado em expediente duro, porém gostoso e saudável, como escriba do Reitor Hélio Leite, coadjutor dos diretores de centros e faculdades, assistente dos pró-reitores, ajudante de docentes e funcionários e, como os portugueses exprimem, acólito “de toda a gente”.

Ler mais…Malinações em pleno expediente

2019 – Ano 148 da produção queirosiana (Um Pobre Homem da Póvoa do Varzim)

VIANNEY MESQUITA, membro titular da Academia Cearense da Língua Portuguesa – Cadeira nº 37, tendo como patrono Estêvão Cruz.

Em nossas democracias a ânsia da maioria dos mortais é alcançar em sete
linhas o louvor do jornal. Para se conquistarem essas sete linhas benditas,
os homens praticam todas as ações – mesmo as boas.
(José Maria EÇA DE QUEIRÓS).

1 A JEITO DE EXPLICAÇÃO

Celebram-se, no decurso de 2019, 148 anos do início produtivo literário de José Maria Eça de Queirós, talvez o mais célebre literato português, filho de brasileiro, iniciado com a realização (1871) das célebres Conferências do Cassino Lisbonense.

EQ é um dos mais fecundos literatos de Língua Portuguesa e celebrado escritor na contextura internacional, nascido em Póvoa do Varzim, norte de Portugal, em 25 de novembro de 1845, e que foi habitar a dimensão edênica no dia 16 de agosto de 1900, em Paris.

Importa informar o leitor do fato de que este escrito foi objeto de intensivas modificações relativamente à versão providenciada em 1980, quando se era, em concomitância, docente e estudante. Tal aconteceu porque estavam esgotadas duas obras que lhe serviram de suporte: a Revista de Letras, contendo o segmento O Jornalista do Distrito de Évora, Fortaleza: UFC, v.34, n. 21, pp. 184-198; e o capítulo de igual título, no livro Impressões – Estudos de Literatura e Comunicação. Fortaleza, Edições Agora, 1989. Então, com vistas a conceder informações adicionais ao assunto, providenciou-se esta versão, publicada em Nuntia Morata (MESQUITA, 2014) e, agora (fevereiro de 2019), com modificações insertas por motivos temporais.

A pesquisa foi composta, originariamente, no mencionado ano, com vistas a concorrer ao prêmio literário Elos-Eça de Literatura para universitários – do qual obteve o primeiro lugar – promoção do Elos Clube de Fortaleza, da Empresa M. Dias Branco S.A., organização nacional de grande porte, de controller com sede em Fortaleza, em conjunto com a Embaixada de Portugal acreditada no Brasil, ao tempo do embaixador Sr. Dr. José Eduardo de Menezes Rosa.

Com efeito, o escrito, ora bastante alterado, afasta-se evidentemente da pretensão de aportar grandes novidades à historiografia relativa à produção de Eça de Queirós, máxime ao se considerar o que logo à frente exprime o escritor maranguapense Joaquim Braga Montenegro. Restou incluso aqui na intenção, adrede, de conduzir o escolar, notadamente o secundarista, a tomar contato com os produtos editoriais deste imenso escritor lusitano.

Ler mais…2019 – Ano 148 da produção queirosiana (Um Pobre Homem da Póvoa do Varzim)

Colo de mãe

ANIZEUTON LEITE, membro correspondente da Academia Cearense da Língua Portuguesa

O colo de mãe é lugar sagrado que acolhe, aconchega, embala e acalenta. Lugar seguro que o filho procura nos momentos de dor, medo ou dúvida. Conforto que traduz sem palavras a linguagem inequívoca do amor, da atenção e do benquerer. Quem nunca sentiu o aconchego e a proteção do colo materno é um órfão ainda que tenha mãe.

O choro cessa, a tristeza dissipa, o medo desaparece e a paz se faz presente com a presença maternal. Fortaleza que ampara, consola, aconselha, reza e sofre junto. Mãe e amiga que conhece a linguagem do olhar, pois possui a sensibilidade dos poetas. Sensibilidade para compreender as palavras que não são ditas, o pedido de ajuda que não é verbalizado.

A figura materna transmite amor, sabedoria, paciência e misericórdia. Mãe é doação. Doação que faz esquecer suas dores e tomar para si o sofrimento do outro. Ser mãe é ter sempre uma atitude altruísta; é enxergar seus filhos sempre como criança.

A escultura Pietá, de Michelangelo, retrata, de maneira belíssima, o cuidado e o colo da mãe. Mãe que pega seu filho no colo, que limpa as feridas e que o acalenta em seus braços pela última vez. Braços que tantas vezes pegaram sua cria, conduziram, abraçaram e aconchegaram em seu peito. Mãe que sofre, mas que não se desespera. Mãe que permanece junto até o fim.

O colo de mãe pode ser entendido também como a metáfora do zelo, do cuidado e do amor oferecidos por esse ser, humano e divino, que sabe amar sem pedir nada em troca. Mãe é sinônimo de sabedoria, paciência e carinho. Mãe é um ser que dicionário ou poeta algum é capaz de descrever. Ser mãe é ser, antes de tudo, indefinível.

Promoção de saúde na escola

Vianney Mesquita (1)

Um pobre são, e alentado de forças, vale mais do que
um rico fraco, e atormentado de doenças.
A saúde da alma em santidade de justiça é melhor do que todo ouro
e prata, e o corpo robusto vale mais do que imensos bens.
Não há riquezas maiores do que as da saúde do corpo,
nem contentamento que seja igual à alegria do coração.
(ECLO., 30-14, 15-16).

Reiteram-se nos derradeiros anos, sem explicação plausível para a ocorrência (porquanto, quase sempre, espécimes distantes das nossas linhas de exame), os convites para que descerremos o conteúdo de obras com teor didático-científico lavradas na ambiência acadêmica, procedentes de tarefas formais de programas de mestrado e doutorado, resultados exitosos de experimentos laboratoriais, artigos, relatórios de pesquisas e escritos assemelhados, produzidos na contingência universitária do Ceará, todos eles, afortunadamente, de supina qualidade.

A verdade referida por derradeiro – convém dizer, e com o máximo regozijo – é denotativa do estudo adrede, sério e denodado desenvolvido pelo nosso episcopado acadêmico, ao entregar para a comunidade científica mais alargada, configurada nos receptores afins às matérias, de outros Estados-Membros do Brasil, bem como do Exterior, um conjunto de saberes sistematizados, tomados pela observação, identificação, busca e explicação de certas categorias de fenômenos e fatos, acolhidos com supedâneo no método e na razão.

Ler mais…Promoção de saúde na escola