ANTÍTESE

ANTÍTESE                      

Os dias sucederam silenciosos, como se partissem e voltassem em surdina

Os longos trajetos sinalizavam o bem e o mal, no curto instante

As nuvens de sombras e claridades adornavam o céu de rosas

Esperançosa, corria sem norte na expectativa circunstante

Do outro lado, o mar de águas valentes soluçava em crespas ondas

À noite, enquanto a lua se vestia de dourado, acinzentava-se de dor

Ali, na profunda fresta de si, olhava para o alto e a fé reacendia em risos

O peito arfava na busca d’alma, sentiu certo temor

As palavras sussurravam imperceptíveis no místico paraíso

Nem sei ao certo o que digo, confusa na chegada e no percurso das partidas

O sol de cachos amarelos encontra a noite adornada com seus véus de prata

E eu, em regozijo pleno, crio raízes na rasa terra de sonhos e ilusões perdidas

Mas ei que vejo os fios de ouro! Eles me ligam ao eterno cosmo

No inefável cenário, desperto e adormeço na atitude grata

Eis, que o dia nasce e envelhece, no diáfano mistério da vida

 

Anotações – Nesse dia em que escrevi o poema, estávamos na Oficina de Poesia, presencial, da Nova Acrópole (NA) numa aula sobre antítese, paradoxo (figuras de linguagem).

 

Flor do Carpo

MARCELO BRAGA, membro efetivo da Academia Cearense da Língua Portuguesa – Cadeira nº 18

           Aiocó estava em festa. As chuvas, nos últimos dias, trouxeram à cidade vida nova, além de muitos mosquitos que se viam aos arredores dos lampiões. Os moradores riam-se com o tempo. Havia quatro anos que a seca castigava, era só sofrimento, luto, desespero e desesperança.

           O pequeno povoado já não existia, mas Deus existe e manda chuva. Chuva que caiu sobre Aiocó durante três dias, deixando a população frenética de alegria. Alguns, em frente à igreja, agradeciam a Deus, ajoelhados; outros, com uma garrafa de cachaça entre as mãos postas, olhavam para o céu e choravam compulsivamente.

            As chuvas, segundo a população daquele pequeno povoado, vieram graças a Mané do Carpo, um curandeiro que fora assassinado pelo Capitão Antoniano Linhares  por ter lhe negado um pedido. Diz-se que a filha do Capitão estava muito doente, então  mandou chamar o curandeiro. Este recusou.

           No dia seguinte, a moça faleceu. Inconformado, foi até a casa de Mané do Carpo, amarrou-o em seu cavalo e desceu ladeira abaixo arrastando o pobre curandeiro, amaldiçoando-o e culpando-o pela morte de sua filha.

            Após cinco dias da morte do velho Mané, o Capitão sofreu um acidente, caiu de seu cavalo, bateu com a cabeça em uma pedra, tendo morte imediata. O povo do lugarejo atribuíra a sua morte como obra do curandeiro que viera para se vingar.

            Aiocó dividia-se nas opiniões tentando justificar o motivo de tanta chuva assim tão repentinamente. Para a maioria dos aiocoenses,  era também obra do curandeiro, que, penalizado e conhecedor do sofrimento de todo povo, lhe mandou chuva. Para os mais católicos, era obra divina e tentavam explicar como sendo o resultado de muitas promessas feitas no período de quatro anos e meio. Para os que se diziam estudados de fenômenos naturais, Liberato e Dagoberto, nenhuma das hipóteses era verdadeira. Segundo eles, nada mais era, senão um caso isolado.

            As chuvas continuaram, os rios e açudes ficaram cheios, e ninguém conseguiu explicar o fenômeno. Os aiocoenses cuidaram de suas terras, plantaram e colheram. A cidade desenvolvera-se especialmente com a chegada diária de turistas, atraídos por uma possível aparição.

            No quintal da casa de Mané do Carpo, apareceu uma flor diferente de todas existentes na região, que recebeu o nome  “Flor do Carpo.”

           Após as chuvas cessarem, no lugar em que a flor nascera, o curandeiro apareceu para Tinó, um amigo fiel, talvez o único. O boato espalhou-se. No início, a cidade desacreditara na história, mas novas aparições surgiram e outras pessoas afirmaram tê-lo visto naquele local. Foi motivo suficiente para atrair pessoas de várias partes e não só da região.

            A casa de Mané do Carpo, ou melhor, o quintal de sua casa nunca mais fora o mesmo. Em vida, era vazio, pouco frequentado , um ou outro ia visitá-lo na tentativa de conseguir alguma cura para seus males. Salvo o fiel amigo Tinó. Este, sim, embora fosse falar-lhe de suas desilusões, considerava-o amigo. Após a sua morte, fora o único a colocar flores em seu túmulo. Depois de morto, gente, que nunca vira ou ouvira falar, visita-o, pede-lhe forças, faz-lhe versos, estatuetas, pequenos panfletos com oração que nunca  fez e foto que não condiz com a sua fisionomia em vida.

            A cidade crescia cada vez mais, já não era só um pequeno povoado, o dinheiro multiplicava-se deixando o prefeito folgazão, e a prefeitura, que sempre se encontrara desapercebida de recursos, engordava que era uma beleza. No período de eleições, os candidatos pediam votos em nome da “Flor do Carpo”. Prometiam mundos e fundos, inclusive ampliar o pequeno quintal, por não mais comportar tanta gente que ia ali para tocar a flor e conseguir uma graça. Vencia o mais burlador e prosador. O fato é que o atual   prefeito cumpriu o dito e ampliou o quintal. Tudo isso, segundo ele, seria para o bem do povo e para a memória do curandeiro que tinha que se manter viva.

            Em um certo dia de casa cheia. Desculpe-me por isso. Em um certo dia de quintal cheio, Mané do Carpo, já não mais aguentando tanta deificação, resolveu aparecer justamente no momento em que todos o aclamavam. Uma confusão generalizou-se, alguns gritavam “Aleluia! Aleluia!”; outros se ajoelhavam; uns desmaiavam. E dentre em pouco, todos, ao perceberem o que realmente estava acontecendo, correram. Mané do Carpo, sobre a flor, observava tudo calado. E, após alguns minutos, a paz reinou novamente no quintal vazio.

            Aiocó voltou a ser o que era. O local da aparição tornou-se mal-assombrado, e turista nenhum nunca mais pôs os pés naquele lugar que, aos poucos, deixava de existir. Mas a “Flor do Carpo” resistia. Não crescia, não murchava, não morria. Resistia.

Três poemas de Gorete Oliveira

GORETE OLIVEIRA, membro titular da Academia Cearense da Língua Portuguesa – Cadeira nº 1

FLOR DO CERRADO

For do cerrado,
quem te deixou sem namorado?
Quem ainda não te viu, flor do cerrado?
tanto recato dentro do mato!
Quem não te viu não descobriu
quanta poesia se faz de um dia.
Um dia em que sorris despida ao sol,
e um beija-flor aventureiro vem roubar teu cheiro.
Teu vermelho sangra o verde desse mato
como o sangue de donzela o lençol branco.
Tua graça virgem se guarda sob o céu
como lábios de nubente sob o véu.
Ciumento de ti, esse cerrado, teu guardião,
faz de ti seu poema de beleza e solidão.

Brasília, 5 de maio de 2015

AMARELO E AVESSO

Meu amarelo pé-de-chinelo,
Meu brinquedinho de montar,
Boneco de pano e fita;
Por fora é de seda,
Por dentro é de chita.
Meu amarelo polichinelo,
Meu brinquedinho de abrir,
Caixa de segredo tagarela;
Antes era saltimbanco,
Agora banco sem salto.
Meu amarelo violoncelo,
Meu brinquedinho de encaixar,
Arco em corda de violino;
De longe era gigante,
De perto virou menino.
Meu amarelo caramelo,
Meu brinquedinho de exibir,
Alegria de arlequim;
De casca é curto e grosso,
Sem roupa é bala de festim.

Fortaleza, 30 de agosto de 2013.

BURRO QUANDO FOGE

Não sou a negra
Não sou a branca
Minha cor é burro quando foge.
Não sei de bruxaria
Não sei de homilia
Minha fé é artesania.
Não tenho fetiche
Não tenho carisma
Meu encanto é filosofia.

Fortaleza, 25 de setembro de 2014

Teorema da distância

Teorema da distância
Ana Paula de Medeiros Ribeiro

Distância, na geometria,
É reta que liga dois pontos. No amor,
É silêncio
É linha sinuosa
Que desvia caminhos
Evita estar próximo
E economiza carinho.
Para saber a distância,
na matemática,
Aplica-se um teorema
Traça-se a reta
Desenha o triângulo
Soma catetos.

 

No amor,
É equação diferente
Mede-se o desejo
A intensidade do beijo
A soma do quadrado dos minutos
Do querer estar junto
Mesmo quando não dá
Quanto mais perto do zero
Mais longe se está.

 

Na geometria,
distância é valor numérico
Expresso em cifra fria.

 

No amor,
Distância é agonia
É sofrimento também
É líquido derramado
Feito lagoa nos olhos
É aguardar um “bom dia”
Que nem sempre vem.

 

É dor que não tem forma
É abandono que faz chorar
É fome, naufrágio
Um poço de saudade
Mais profundo que o abismo
E bem maior que o próprio mar.

O LIVRO

O LIVRO

Horácio Dídimo (Da ACLP e ACL)

Cada livro é uma árvore

Ondulada pelo vento
É papel e personagem
Pendurado no seu tempo

Usa capa e contracapa
Comentário nas orelhas
Nariz na folha de rosto
Sumário nas sobrancelhas

Cada livro é uma nuvem
Carregada de palavras
Chovendo pelos caminhos

Cada livro é um oásis
Onde as aves bibliófilas
Vão preparar os seus ninhos

 

2
Os livros cantam seus contos
Nos castelos nas ameias
Dançam nos pés seus tamancos
E aranhas nas suas teias

Colorido ou preto-e-branco
Cada livro tem seu texto
Seu miolo sua casca
Seu mercado e seu contexto

Livros são menos ou mais
Seres tridimensionais
Cada um com sua norma

Cada livro é uma forja
Um retrato e um espaço
Um abraço e uma forma

SÃO FRANCISCO DE ASSIS MAGNIFICAMENTE REVISITADO

SÃO FRANCISCO DE ASSIS MAGNIFICAMENTE REVISITADO

Maria Célia Mesquita Molinari*

 

Confesso que, ao receber o convite para fazer a matéria inaugural deste livro, Francisco de Assis – Alegria e Santidade na Pobreza, de Socorro Lima Mesquita, senti um misto de timidez, insegurança e talvez fraqueza.
Veio-me, então, espontânea a vontade de parafrasear a nossa querida Regina Elisabeth Jaborandy de Mattos Dourado Mesquita, e responder: não posso, não sei, meu estudo é pouco.
Depois, concordei com o autor Teoria da Relatividade, Albert Einstein, para quem Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos. Fazer ou não fazer algo só depende da nossa vontade e perseverança.
Senti, então, que não me podia furtar a essa tarefa, ainda mais ao me reportar a São Francisco de Assis, de quem me confesso apaixonada.
Na verdade, todas as vezes que reflito sobre bondade, humildade, piedade e tantas outras virtudes, penso em Francisco, que, na minha maneira de entender as coisas do Alto, foi figura fiel do próprio Cristo.
Enche-me de alegria saber que Socorro Mesquita decidiu escrever um livro sobre a vida de um santo, especialmente numa época de permissividade como a que vivemos, quando valores morais, religião, oração, pureza, respeito a Deus e ao próximo são coisas “ultrapassadas”, que significam agir na contramão dos ensinamentos terrenos.
O ser humano parece completamente alheio à sua finitude e se preocupa somente com o que é material e passageiro. A fragilidade da vida terrena semelha que atinge somente os outros.
A santidade de Francisco de Assis, tão bem reconfigurada pela Autora, foi radical, uma graça do Espírito Santo, tendo ele recebido e assumido esse favor divino com todas as forças.
Depois da vida mundana que levara, São Francisco abriu os ouvidos e o coração somente para a voz de Deus, a Palavra, o Cristo e nEste para o irmão, amando-o de coração e tendo assim a dignidade de receber no próprio corpo as chagas de Jesus.
Quem tiver a graça de ter nas mãos este volume deixe-se guiar por esta mercê de Cima e medite com profundidade na obediência de Francisco à Palavra, fruto de suas reflexões do Evangelho.
Esta aquiescência franciscense é cópia da atitude de Maria que, ante o anúncio do anjo de que seria mãe do Salvador, em profunda obediência – fruto de oração e interiorização – se lançou nas mãos de Deus e, sem temer o que lhe pudesse acontecer, respondeu: “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra” – a célebre expressão escritural Ecce ancilla Domini fiat mihi secundum verbum tuum, expressa no Evangelho de São Lucas, capítulo 1, versículo 38.
Ainda se pode louvar na vassalagem de São José Operário, então seu prometido em casamento, que renunciou incontinenti aos seus planos de um consórcio comum, uma família (Jesus, Maria e José), sua oficina de carpinteiro, enfim, um sonho normal de todo jovem.
São José, então, ao ser avisado em sonho, por um anjo de que o Filho gerado em Maria o foi pela ação do Espírito Santo, abandonou tudo e a conduziu para sua casa. Passou, também ele, por todas as vicissitudes experimentadas pela mãe e assumiu essa paternidade com responsabilidade e amor ímpar. E, por último, é salutar a prática de meditar na obediência do próprio Jesus que, mesmo

[…] sendo de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz.

Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a gloria de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor. (Fl2 , 6-11).

Muitas vezes, ao evocar São Francisco, eu imaginava como conseguiria um ser humano alcançar a salvação, por não serem as pessoas capazes de imitá-lo em suas virtudes. A certeza da misericórdia do Pai, entretanto, que ama infinitamente a todos os seus filhos e distribui a cada um os seus dons, nos faz ter esperanças e confiar na Sua imensa bondade conhecedora de nossas fraquezas e limites.
Erramos, vacilamos, mas, se abrirmos o coração, tenhamos a certeza de que Deus jamais nos abandona, […] “nunca se cansa de perdoar-nos; nós é que cansamos de pedir perdão”, como diz o Papa Francisco, verdadeiro arauto do Evangelho de Cristo.
É oportuno expressar o argumento de que o nome deste novo Príncipe de Roma para designar o Pastor do Cristianismo, o qual segue os passos de São Francisco, foi escolhido pelo próprio Espírito Santo e, mais do que nunca, podemos sentir viva essa presença, convidando à conversão, suscitando evangelizadores sacerdotes e leigos a ajudar esse Embaixador da Santíssima Trindade a conduzir o rebanho para “verdes prados e fontes de águas puras”, a fim de lhe restaurar as forças ( Sl 22, 2-3).
Percebe-se claramente no mundo uma verdadeira batalha entre o bem e o mal: guerras, violência, crimes, sexualidade exacerbada, filhos trazidos ao mundo de maneira irresponsável, êxodo de populações em busca de paz em países estranhos de língua e cultura diferentes. Não que isto seja uma novidade, pois é mesmo uma situação que se repete ao longo dos séculos.
É notório, porém, o fato de que, ao lado de tudo isto, há também um como que “aquecimento” espiritual. Veem-se pessoas desejosas de aprender e viver a Palavra de Deus, uma expressiva quantidade de jovens que procuram a Palavra (Jornada Mundial da Juventude), muitas pessoas que ingressam em programas de voluntariado para ajudar o próximo, e um grande numero de santos contemporâneos elevados à honra dos altares.
Temos a alegria de contar entre os santos um João XXIII, João Paulo II, Tereza de Calcutá, Faustina Kowalska, como também pessoas que, mesmo não tendo sido elevadas ao múnus da santificação, restam por demais conhecidas as suas obras pelo bem comum, como Helder Câmara, Zilda Arns, Chico Xavier, Irmã Dulce e tantos outros que optaram por pautar suas vidas seguindo a pobreza do Evangelho tão amada por São Francisco.

No contexto evangélico, o pobre é a pessoa honrada, piedosa, espiritualizada, justa (praticante da justiça, ajustado diante de Deus), aberto a Deus e por isso feliz.

O Reino é deles porque, vivendo assim, realizam o pedido de Jesus: Convertam-se, porque o Reino do Céu está próximo (Mt 4,17). O mundo, todavia, faz uma contraposição a essa mensagem e assinala: felizes os que têm dinheiro e sabem usá-lo para comprar influências, comodidades, poder, segurança e bem-estar (MESQUITA, 2016).

Todos os escritos de São Francisco, ele não os atribuía como de sua autoria e sim de inspiração divina; por isso toda a sua obra é fundamentada nas Escrituras, sobretudo, nos Evangelhos. São frutos da profunda vivência interior, do diálogo com Deus. Ele próprio considera sua produção literária como palavra de Deus e solicita a todos que leiam, conservem e divulguem, trata-se de uma leitura espiritual. (MESQUITA, 2016, citando FASSINI).
É necessário, por conseguinte, aprendermos com o Santo a ter uma vida mais simples e regrada, evitando os desperdícios, com vistas a debelar o consumismo. É possível viver com pouco; amar bem mais o próximo, não ter preconceitos e buscar fazer algo de útil em seu favor, sobretudo dos mais necessitados. É premente a ocasião de amarmos e preservarmos a Natureza, desfrutando a vida em sintonia com o nosso Planeta (IDEM).
*Maria Célia Mesquita Molinari é professora aposentada, imortal da Arcádia Nova Palmaciana (Cleonice Danae), titular da Cadeira número 14.