Dois poemas de Regina Barros Leal

REGINA BARROS LEAL – Membro titular da Academia Cearense da Língua Portuguesa – Cadeira nº 24

A magia do outono

No florescer da alma em plenitude! Os abraços fraternos
Firma-se uma convicção. A consciência da eternidade
No corpo a envelhecência! N’alma  a colheita de frutos eternos
Estação revelada na fé, na prudência e na humildade

As folhas secas dos belos galhos, surgem das árvores em mudança!
O espelho reflete a magia do entardecer que nos acolhe e acalma
No rio da esperança,  a leveza e a  sinfonia cantante do vento
Entoa melodias de amor, realiza a colheita inefável da alma

Alcança a paz, transbordando de amor à humanidade
E o riso  espontâneo abre-se como pétalas de rosa
Refletindo a consciência  e a convicção da eternidade
Enfim, o outono é motivo de poesia e esotérica  prosa

O caminho

O que te inquieta?
O sonho desfeito?
Os passos não dados
As lágrimas perdidas
O amor  em retalhos
O que te perturba?
As lembranças  amargas
Os tropeços na estrada
Pois te digo!
Todos estão a andar!
O caminho nem sempre  vão encontrar
Segura o bastão com confiança
Ele te sustentará
Firma-te nas raízes supremas
Então tu chegarás e será para ti o bálsamo do frescor eterno
E sairás  caminhando
Resoluto, na direção do centro
Dissolverás as dúvidas
Enxugarás as lágrimas
Segurarás o cajado
Caminharás sem medo , seguindo o coração
Percorrerás  veredas e vielas que te levarão à luz, rompendo assim a  escuridão
Então acharás
O caminho da verdade.

Compartilhar