Emprego do Infinitivo

ACADEMIA CEARENSE DA LÍNGUA PORTUGUESA – 40 anos

Hora do Vernáculo – Prof. Myrson Lima – Cadeira nº14 – 28.3.2017.

             

            O infinitivo é uma das três formas nominais do verbo (infinitivo – gerúndio – particípio).

             São assim chamadas, porque assumem a função de nome (substantivo – advérbio – adjetivo).

Exemplos:

Estudar dá cultura.

Estudando, conseguirás aprovação.

Encerrada a reunião, nós nos retiramos.

 

  1. Infinitivoimpessoal: É inflexível, sem sujeito. Apresenta o verbo sem nenhuma especificação de modo, de tempo, de número, de pessoa. É a forma que encontramos registrada nos dicionários. Corresponde a um substantivo puro e provém do infinitivo latino em – re. Exemplos: amare, venire, audire.

Exemplos: Orar e trabalhar são duas importantes atividades do ser humano. Viver. O maior mandamento é amar o próximo.

 

  1. Infinitivo pessoal: Há referência a uma pessoa do discurso. Possui sujeito próprio ou o mesmo sujeito do verbo com que se articula. Poderá ou não flexionar-se.

Exemplos:   

Declararam estar prontos para o concurso.

Elas supõem sermos honestos.   

 

  1. Infinitivo pessoal flexionado: com flexão de número e pessoa.

Exemplos: amar eu, amares tu, amar ele, amarmos nós, amardes vós, amarem eles.

Às vezes, com flexão zero (1ª. e 3ª. pessoas do singular)

É esse infinitivo pessoal flexionado, mal regulamentado pela gramática, que se constitui um idiotismo da língua portuguesa.

 

  1.  Infinitivo pessoal não flexionadohá referência a um sujeito, mas a forma se confunde com a do infinitivo impessoal. De uso frequente nas locuções verbais.

Exemplos:

Eles não podem fazer tudo sozinhos.

As crianças brincam sem saber que há perigos no jardim.

    Observações:

  • Não são claramente definidas pela gramática todas as regras do emprego do infinitivo pessoal flexionado e do infinitivo pessoal não flexionado. São registradas apenas as tendências que se observam em seu emprego.
  • A opção entre a forma flexionada ou não flexionada pertence mais ao campo da estilística do que propriamente da gramática.
  • Geralmente, quando mais se quer realçar a ação, prefere-se a forma não flexionada, quando se realça o agente, usa-se a forma flexionada.

 

               Infinitivo flexionado

É flexionado, entre outros casos, quando

  1. a)O verbo tiver sujeito próprio, diferente do sujeito da oração principal.

       Exemplo: Declaramos estarem prontos os trabalhos.

  1. b)O verbo for reflexivo.

Exemplo: Foram obrigados a se refugiarem ali.

  1. c)Quando houver ideia de reciprocidade.

Exemplo: Vivem juntos sem se incomodarem.

  1. d)Quando vier preposicionado, antecedendo a oração principal.

Exemplo: Para passares no processo seletivo, é preciso muito estudo.

 

Infinitivo não flexionado

É não flexionado, entre outros casos, quando houver

  1. a)o sujeito do infinitivo idêntico do verbo regente.

Exemplo: Declaramos estar prontos para a viagem.

  1. b)uma locução verbal.

Exemplo: Queremos sair cedo.

  1. c)um pronome oblíquo como sujeito do verbo seguinte.

Exemplo: Vi-o sair.

  1. d)um sentido passivo.

Exemplo: Textos fáceis de ler.

 

  • O infinitivo é, muitas vezes, confundido com o futuro do subjuntivo. Para que isso não ocorra, coloca-se antes a preposição por para identificar o infinitivo e a conjunção quando ou se para o caso de futuro do subjuntivo.

Exemplos: Foi condenado por falar a verdade. Quando eu falar a verdade…

 

Desafio 1

Vocês devem, sempre que possível, fazer ou fazerem a fiscalização?

Resposta:

A resposta é vocês devem fazer a fiscalização.

Regra: Em locuções verbais, deve-se usar o infinitivo pessoal não flexionado.

Outros exemplos:

Os peritos devem analisar o avião acidentado com urgência.

Os contribuintes poderão pagar antecipadamente o Imposto de Renda.

Vamos estudar todos os casos de corrupção.

Desafio 2

Os técnicos estão aqui para resolver ou resolverem o problema?

Resposta:

O correto é os técnicos estão aqui para resolver.

Regra: Quando o sujeito do infinitivo é o mesmo da primeira oração, deve-se usar a forma inflexionada.

Outros exemplos:

Os torcedores vieram ao estádio só para vaiar o time.

Nós saímos a fim de almoçar juntos.

 

Desafio 3

Declaramos estar ou estarem prontos os relatórios?

Resposta: A resposta é estarem prontos os relatórios.

Regra: O infinitivo se flexiona, quando os sujeitos dos verbos são diferentes.

Outros exemplos:

O diretor mandou os funcionários irem à reunião.

A bolsa fez os preços subirem.

 

Desafio 4

O professor liberou seus alunos para ir ou para irem ao jogo? 

Resposta: O aconselhável é o professor liberou os alunos para irem ao jogo.

Regra: Em caso de ambiguidade, é aconselhável flexionar o infinitivo.

Outros exemplos:

O juiz pediu aos escrivães para saírem da sala.

O fotógrafo solicitou aos presentes para mudarem a cena.

 

Desafio 5

Mandei-os entrar ou mandei-os entrarem?

Resposta: A resposta é mandei-os entrar.

Regra: Se o sujeito do infinitivo for expresso por um pronome oblíquo (= o, os, a, as, lo, los, la, las no, na, nos, etc.), com verbos causativos ou sensitivos (mandar, deixar, fazer, ver, ouvir, sentir e sinônimos), a praxe é não flexionar o infinitivo.

Outros exemplos:

Fui vê-los fazer a apreensão / Fui ver os auditores fazerem a apreensão.  

Deixei-os sair para a palestra / Deixei os alunos saírem para a palestra.

Fizeram-nos renunciar ao mandato / Fizeram os deputados renunciarem ao mandato.

 

Desafio 6

Eles foram proibidos de sair ou saírem?

Resposta: O aconselhável é foram proibidos de sair.

 Regra: Não se flexiona o infinitivo com preposição que funcione como complemento de substantivo, adjetivo ou do próprio verbo principal.

Outros exemplos:

Os manifestantes foram impedidos de entrar. Os retardatários foram obrigados a ficar em pé.Eles têm necessidade de estar sempre discutindo.

 

Desafio 7

Foram obrigados a se refugiar ou se refugiarem no banco?

Resposta: O aconselhável é foram obrigados a se refugiarem.

Regra: O infinitivo se flexiona, se o verbo for reflexivo.

Outros exemplos:

As crianças tiveram de se esconderem do psicopata.

Os acusados foram convidados a se apresentarem ao chefe.

 

Desafio 8

Vivem juntos sem se incomodar ou se incomodarem?

Resposta: O usual é vivem juntos sem se incomodarem.

Regra: Quando houver ideia de reciprocidade, o infinitivo se flexiona.

Outros exemplos:

Eles convivem sob o mesmo teto sem se agredirem.

Eles saíram da reunião após se cumprimentarem.

 

Desafio 9

Textos fáceis de interpretar ou textos fáceis de interpretarem?

Resposta: O aconselhável é textos fáceis de interpretar.

Regra: Quando houver o sentido passivo, o infinitivo não se flexiona.

Outros exemplos:

Havia relatórios difíceis de concluir.

Tabelas fáceis de elaborar.

 

Desafio 10

Alegram-se por ter ou terem visto o cantor?

Resposta: O aconselhável é alegram-se por terem visto o cantor.

Regra: Para alguns gramáticos, convém flexionar o infinitivo, quando é possível a substituição por uma forma modal.

Explicação: Alegram-se por terem visto o cantor (alegram-se, porque viram o cantor)

Outros exemplos:

Já tivemos oportunidade de nos retratarmos. (de que nos retratássemos)

Afirmo terem chegado os computadores. (que chegaram)

Treinar os atletas para estarem aptos a competir. (para que compitam)

Compartilhar