CABOTINISMO

CABOTINISMO

COMPORTAMENTO ABOMINÁVEL

Vianney Mesquita*

O orgulho que almoça vaidade janta desprezo. (BENJAMIN FRANKLIN, cientista, diplomata, inventor e intelectual eclético do Estados Unidos. 1706-1790).

O nome cabotino, adjetivo e substantivo de ambos os gêneros, significa, em acepção original, mau comediante, ator histrião, personagem bufo, cômico teatralmente desqualificado. Consoante sugere Antônio Geraldo da Cunha, no seu Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa (2. ed., Rio de Janeiro, 2001), “parece” aludir ao nome de um ator burlesco de categoria inferior (Cabotin), o qual teria atuado no tempo de Luís XIII, em França.

Figurativamente, entretanto – e esta é a significação preferida e mais conhecida no Brasil – denota a ideia de […] indivíduo presumido, afetado, que procura chamar a atenção, ostentando qualidades reais ou fictícias (CUNHA, 2001), com registo lexicográfico no século XIX (1807), sendo controversa a origem dos seus sentidos expressos em glossários, segundo gizado no Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (2001), de Mauro Salles Villar e Antônio Houaiss.

Este escrito é a continuação de viagem feita na boleia de matéria aqui veiculada recentemente, sob o título de Em qual cabeça assenta este chapéu? – onde expressei indignação com os autores autoproclamados mentores da sociedade, os quais se louvam no expediente da apologia aos protagonistas de suas obras, sem desvinculá-los dos nomes reais como escritores, com vistas à obtenção do aplauso, atitude repreensível, mesmo se o louvor restar merecido, e – pior ainda – caso não sobeje o elogio justo.

A desqualificada significação desta unidade de ideia – cabotinismo – experimenta trajeto bastante comum no decurso na sociedade dos mais diversificados lugares e em tempos totais, conforme, amiudemente, a História relata, submetendo ao risco de sua instalação todos aqueles que não se vacinaram contra a picada da mosca azul – consoante a reflexão de Frei Beto, no livro do mesmo nome – expondo-se, dadivosos, ao seu voraz apetite.

A soberba, a importância e a indispensabilidade quase patológicas dos afagos ao ego sugestionado por Sigmund Freud parecem invadir o controle da volição, determinante da vontade de cada qual, neste caso, concernente a orientar as pessoas na trilha certa, conduzindo-as ao comportamento adequado no âmbito moral, na contextura da decência e no contorno das atitudes saudáveis que devem presidir aos nossos procederes. A isto a sociedade inteira almeja, porém, se descuida de armar anteparos e, com frequência, se descortina subordinada a um inimigo oculto, o qual se arrima até na nossa inteligência, como, por exemplo, na capacidade de escrever bons textos, a fim de operar seu desiderato e nos exibir aos pares com defeito de tanta monta, configurado no recurso nefasto do exibicionismo, sinônimo de ostentação, correspondente a encômio barato e presunção despropositada.

É determinante, por conseguinte, um cuidado redobrado, a fim de as pessoas não se subordinarem às investidas constantes do cabotinismo, mormente quando são alçadas a posições de destaque, por via da Política, Religião, manifestações artísticas e demais haveres dotais impressos pela Providência Divina, como, exempli gratia, a Literatura, a Pintura e as outras quatro artes.

Estas expressões da indústria humana, por efetivo, consuetudinariamente, concedem visão pública e midiática aos produtores e intérpretes, granjeando para seus palcos de shows e outros ambientes de assistência, em catarse aristotélica – de cariz estético – uma multidão apaixonada, desorganizada e desprovida de pensamento racional, condutora do artista aos apogeus da glória, circunstância fácil de ligeiramente enviesar para o senhorio da cabotinagem, de atuação ligeira junto aos que não se abasteceram de defesas rápidas contra opositor de exercício tão desembaraçado e veloz.

O complexo inteiro da Humanidade está sujeito aos tentáculos dos comportamentos charlatães, de tal sorte que se deve permanecer em atalaia contínua contra suas arremetidas. Há que se postar avesso, entretanto, aos pruridos exagerados de simplicidade, como, por exemplo, o autor deixar de assinar uma produção, resignar-se perante a omissão de seu nome de uma ficha técnica, calar-se ante a supressão de referência por parte de alguém em evento cuja efetividade dependeu de sua participação etc., fatos que somente atestam a bobice e a sujeição infantil, também doentias, no polo oposto da ideação do teor cabotino.

Guardo, constantemente, sobrado cuidado com as acometidas desse vilão moral, deontológico e ético, para não ser vergado pelos seus impulsos poderosos (Flexo, sed non frango = envergo, mas não quebro). Ele circula à solta em meio aos desavisados, mormente na ambiência dos inocentes e pretensos credores do reconhecimento e presumidos donos de uma arte maior, definitiva, quando, em muitos lances, representam apenas jejunos e claudicantes aprendizes, visitantes de assuntos sobre os quais estão ainda bastante apartados do domínio.

Estas pessoas merecem de seus próximos – parentes, amigos e circunstantes com quem tenham alguma ligação – os corretivos oportunos, as regulagens apropriadas, a fim de que não habitem o patamar dos artistas deserdados morais que, mesmo sendo bons, ainda acham necessário aparecer, conforme expressei na matéria indicada no terceiro parágrafo desta escrita, como os primeiros entre os pares, feitos luminares refalsados do preparo intelectual e notáveis ilusórios da sabedoria.

Lamentavelmente, não conhecem, ou jamais divisaram, a ideia do cientista de Österreich, naturalizado inglês, Carlos Raimundo Popper (Viena, 28.07.1902 – Kenley, 17.09.1994), para quem todos somos cegos convencidos de que saber e ignorância são vizinhos.

Nasci coxa

Nasci coxa
Regine Limaverde

Existe apenas um único problema filosófico

realmente sério: o suicídio. Julgar se a vida

vale ou não a pena ser vivida significa

responder à questão fundamental

da filosofia( Albert Camus) .

Nasci coxa.

Todos me olhavam quando eu passava.

Sentia-me feia.

Minha perna me fazia dançar num ritmo desalinhado.

Detestei-me desde a primeira hora em que me enxerguei.

Lembro-me de um espelho no quarto da minha mãe e a voz arrastada de uma empregada que havia na minha casa.

– O que você está olhando neste espelho? Espelho é pra gente bonita.

Você até que tem um rostinho engraçadinho, mas essa sua perna curta…. E sempre foi assim.

Minha perna era um defeito.

Talvez Deus não estivesse me olhando quando nasci.

Minha mãe era solteira. Casou com meu pai porque engravidou de mim.

Qual não foi a decepção que causei a todos quando o médico me puxou da entranhas de minha mãe e viram que eu tinha a perna esquerda mais curta.

– Coitadinha! Todos diziam ao me conhecer.

Tão bonitinha e com essa perna cotó! Esperaram-me andar.

Não me lembro desse tempo, mas minha madrinha me contou que no dia em que andei minha mãe pagou uma promessa a N.S. de Fátima. A diferença era grande entre a perna direita e a esquerda.

Meu pai era médico e tinha dinheiro.

Providenciou , quando eu ainda era pequena, uma cirurgia para aumentar o osso do meu membro aleijado.

De samba, passei a dançar bolero. Passo lento, desajeitado. Na escola, bullying. Chamavam-me de todos os apelidos que queriam.

Vivia de olhos inchados. Minha mãe era calada, mas muito delicada comigo.

Dizia-me sempre:

– um dia você não mais vai ligar para esse enfeite. Você é diferente e isso faz você ser você.

Completei 15 anos e não quis festa.

– Para quê? Não poderia dançar.

Pedi uma viagem de presente ao meu pai que nessa época era dono de hospital. Todos diziam que ele tinha muito dinheiro.

Eu via a fartura que havia na minha casa. Mas nada disso me fazia feliz. Era tristonha. Meu sorriso era meio sorriso. Nunca me ouviram gargalhar. Era ansiosa. Medrosa. Não ousava sair só.

Lembro que na viagem de 15 anos meus pais foram comigo. Pedi para ir aos Estados Unidos. Queria visitar Hollywood.

Meus olhos eram verde da cor do mar de Fortaleza e meu nariz muito arrebitado.

Todos falavam na minha beleza.

Mas…enquanto sentada. Ao me levantar, as opiniões mudavam e com elas crescia minha amargura.

Fui ficando triste, cabisbaixa, magra.

E aí de tanto me torturar, um dia tive um sonho. Sonhava que era perfeita. Minhas pernas eram compridas como as da Iracema, de José de Alencar.  Talvez nessa época tivesse 17 anos.

No sonho eu voava. E via os lagos e flores e a mata densa. Passava por bando de gaivotas e as seguia. Fiquei tão encantada com o sonho que acordei sorrindo.

Desde aquele dia quero dormir e sonhar. Não gosto da realidade. Não gosto do dia a dia. Não gosto de mais ninguém.

Durmo. Durmo 8, 9, 10 horas por dia. Quando não durmo espontaneamente roubo remédios para dormir das gavetas do meu pai.

Minha vida são os sonhos. Neles sou o que não sou acordada. Faço o que não tenho coragem de fazer. Ontem sonhei que morria. E hoje, vou transformar meu sonho em realidade.

Apuro

Apuro

Clauder Arcanjo

Beijava-a com sofreguidão e persistência. Manhã, tarde e noite.

— Deixe de tanto apuro, homem! — alertava-o a mãe, zelosa, ao presenciar tanto salamaleque.

Ele nem ligava. Quando perto dela, ele sentia um aperto tão gostoso no peito, um friozinho na espinha… Só sossegava o facho, quando, pelo menos, colava os lábios naquela pele macia, beijando-a vezes sem fim.

No trabalho, a lembrança dela arrancava-lhe um bocado de riso. Os colegas, ao flagrarem-no mergulhado naquele desatino, cutucavam-se, confidenciando-se, entre si:

— De tanto apuro… Homem!…

Não fechavam a sentença, como se com a conclusão ferrassem, para sempre, o destino daquele bom companheiro de labuta.

O bocado que ajuntava, nos serões extras, destinava-o, todos os parcos cobres, para os regalos dela. O comerciante da província, ao tempo em que comemorava a venda, soprava para o caixa, quando ele sumia na esquina do Mercado:

— Tanto apuro!…

E subentendia as suas conclusões naquelas reticências; a ficarem dispostas sobre o balcão e as chitas coloridas, num corte de preocupação, como se antevisse o fim daquela conta.

Nos finais de semana, o seu programa era o programa dela. Louco por futebol, ele deixava que ela roesse as unhas, frente ao seu rádio ABC, acompanhando as novelas de amor. “E perdição!…” — no julgamento do pároco, seu primo, antes de informá-lo acerca do resultado da partida.

A empregada espanava os móveis com uma raiva ferina, revoltada com tamanha submissão. Quando uma louça era sacrificada por aquele espavento, ela arrematava, sem pedir desculpas:

— Apuro… Homem.

Após o almoço, em que comia sempre o melhor pedaço — muitas vezes, ele roía-lhe as sobras —, ela dormia a tarde toda na rede disposta na varanda. Varanda esta encoberta por uma “sombra dadivosa” da goiabeira do vizinho. Ela encostava a porta que dava para a casa, e pedia (melhor, ordenava) a todos para não ser importunada.

— Tenho o sono leve. E estou um caco, sabia?… Não consegui dormir com os seus roncos!

O marido fazia-lhe guarda, para que ninguém lhe quebrasse o descanso.

***

Na cozinha, a empregada rodava a vassoura, como se espada nas mãos de uma ensandecida. Ao esfarinhar uma inocente louça, urrava, como uma louca:

— Homem! Homem!…

***

No fim da tarde longa daquele domingo, o galho da goiabeira não resistiu.

— O que foi, benzinho?

— Nada. Deixe de apuro.

Ele sentiu um aperto no peito, um frio na espinha…

Clauder Arcanjo

clauderarcanjo@gmail.com

O PENSAMENTO NO ENSINO DA REDAÇÃO

HORA DO VENÁCULO – 28-6-2017

                                   Prof. Valdemir Mourão – Cadeira nº 19

Se considerada toda a amplidão em que se engloba o pensamento, há de se admitir que quando um aluno é privado de certas experiências, as consequências logo aparecem na mudança de seu comportamento, por isso que, quando ele apresenta um comportamento impulsivo, por exemplo, o professor costuma atribuir isto à falta de pensamento: a pessoa não para para pensar (cf. Raths, 1977). 

Ainda em Raths, pode-se encontrar outro exemplo de que o aluno não se concentra:

Em certo momento, não presta atenção ao que está fazendo e, por isso, fracassa em seu trabalho. Geralmente se supõe que isso resulte de negligência de rigor nos processos de pensamento. Quando existe acentuação de pensamento no currículo, os alunos tendem a modificar seu comportamento. Quando existem frequentes oportunidades para participar de grande diversidade de processos que exigem pensamento, a frequência de comportamento impulsivo tende a diminuir (Idem).

Pode-se aceitar que é possível transpor a capacidade de pensar do aluno à expressão escrita, dando-lhe oportunidade para exercer essa capacidade, aplicando processos que o levam ao exercício do pensamento através da escrita, pois é fundamental, ao escritor, “ter oportunidade para pensar e para discutir o pensamento”(Ibidem), para que ele consiga harmonizar o pensar e o escrever.

Redigir é, afinal, uma das formas de manifestação da linguagem a qual determina o pensamento que, por sua vez, é útil ao desenvolvimento da linguagem, cuja relação (pensamento-linguagem) é advertida por Greene (1976) ao afirmar que falar acerca do pensamento, ignorando a linguagem, seria uma forma extremamente incompleta de abordar o assunto. 

Por ser o pensamento um elemento determinado pela linguagem e por ser a redação uma das formas de manifestações da linguagem, sente-se, então, a necessidade de se partir da produção do aluno, porque a sua produção deve refletir o seu pensamento (ou a sua consciência) e a sua variedade linguística, se já não decapitada pela repressão do ensino tradicional. 

É oportuno transcrever relações possíveis entre o pensamento e a linguagem atribuídas por Greene (1976), para que se entenda melhor tal ligação: 

  1. A linguagem é necessária ao pensamento e determina-o;b) O pensamento precede a linguagem e é necessário ao seu desenvolvimento; c) Linguagem e pensamento têm raízes independentes.

Também vale apresentar duas funções distintas da linguagem, para que se tenha ciência de que a linguagem e o pensamento partilham o mesmo código linguístico, daí a interligação entre ambos, reforçando, assim, a existência de um auxílio mútuo:

A linguagem tem duas funções distintas: a comunicação externa com os seres humanos nossos semelhantes e, de igual importância, a manipulação internade nossos pensamentos íntimos. O milagre da cognição humana é que ambos esses sistemas usam o mesmo código linguístico e, assim, podem ser reciprocamente traduzidos – com mais ou menos êxito (Ibidem).

Ainda referente ao pensamento, dentro do que interessa para este trabalho, tem lugar uma transcrição de Lima (1970):

O pensamento é uma atividade mental que envolve a manipulação de símbolos, sinais, conceitos ou ideias simbolicamente representados. (…) Se Considerarmos a memória como um arquivo, pensamento é o termo (sic) utilizado para descrever as diversas maneiras que temos para recuperar, examinar, combinar e reagrupar as informações arquivadas. A memória, a aprendizagem, o pensamento e a linguagem são processos intimamente (sic) interligados.

Este enunciado diz respeito especificamente ao que interessa esta pesquisa, visto que mostra que há ligação entre as operações de pensamento, a aprendizagem e a linguagem (elementos frequentes no ato de redigir e indispensáveis ao ensino deste ato). 

Se, por outro lado, o processo que estimula o aluno ao uso do pensamento – que deve refletir no seu comportamento e na sua linguagem – deve ser uma tarefa do professor, a mudança em si deve ser do aluno. Logo, compete ao mestre criar em cima da redação do aluno atividades que provoquem pensamento, que ativem a sua consciência, para que a alteração apresentada por ele recaia na sua própria produção: assim, fica detectada a influência do pensamento no ensino da redação. 

Para que isso ocorra, no entanto, com maior eficácia, presume-se que se deva partir da manifestação escrita do aluno, ainda que com suas variações, sem, todavia, estigmatizá-las, para se alcançar a língua padrão. Feito isso, poder-se-á levar o aluno a conhecer diferentes variações linguísticas e usá-las convenientemente, quando solicitado a expressar-se por escrito, refletindo, portanto, um melhor ordenamento do binômio pensamento-linguagem. 

As atividades sugeridas, a partir da produção escrita do aluno, podem ser desde a reestruturação de frases do texto, de períodos e de parágrafos, além de substituições de verbos, de complementos e/ou de sujeitos. 

O importante, portanto, é que estas atividades ativem o pensamento do aluno para que ele transforme a sua variação linguística em norma culta.

                        SUGESTÕES PARA OS PROFESSORES DE LÍNGUA

            Diante dos resultados favoráveis encontrados, a partir da aplicação de Operações de Pensamento, resta sugerir alguns pontos óbvios e implícitos no decorrer do trabalho.

  1. Que as operações de pensamento sejam aplicadas durante o trabalho de análise da produção do aluno.
  2. Que este trabalho seja feito também junto às composições de outras disciplinas, mesmo diante daquelas que têm como base o número. Acredite: Isso é possível.
  3. Que o trabalho de estudo da composição do aluno abranja a análise do código linguístico e doconteúdo, além da reestruturação frasal no texto e do uso de elementos coesivos.
  4. Que o ponto fundamental do trabalho de produção e análise de texto seja levar o aluno a refletirsobre a própria produção, fazendo-o sentir ou produzir a harmonia entre o pensar e o escrever.
  5. Que, mesmo com os conteúdos programáticos impostos pela escola, seja dada ênfase ao pensamento e ao uso da língua como fator final da produção da linguagem.
  6. Que a norma culta seja o fim do processo do ensino de língua, mas nunca o princípio nem o meio, e que este fim não sirva de repressão do uso da variação linguística do aluno.
  7. Que o processo de correção não seja um mero apontar de erros, mas um motivo de análise do ato de comunicação do indivíduo, sem que estes erros sirvam de punição para o aluno.

            Com a aplicação dessas sugestões por parte do professor, poder-se-á crer em uma possívelexpressão escrita mais próxima dos desejos dos mestres de língua.  

                      

                                    BIBLIOGRAFIA

  1. BAKHTIN, Mikhail (V. N. Volochínov), (1986).Marxismo e filosofia dalinguagem. 3ª ed.,   

       São Paulo, Ed. Hucitec. (tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira).

  1. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda (s.d.).Novo dicionário dalíngua portuguesa. 1ª  

       ed., 4ª impressão, RJ, Ed. Nova Fronteira.

  1. GREENE, Judith (1976). Pensamento e linguagem. 2ª ed., RJ, Zahar.
  2. GAGNÉ, Gilles (1983).Norme et enseignement de la languagematernelle. InBédard Edith

       e Jacques Manrais (org.). La norme linguistique, Québec, p. 463-509.

  1. GARMADI, J. (1973).Introdução à sociolinguística. Lisboa, Publicações Dom Quixote.
  2. GENOUVRIER, Emile e PEYTARD, Jean [1973].Linguística e ensinodo português. Coimbra,

       Almedina. (Tradução de Rodolfo Ilari).

  1. GUILLAUME, Gustavo (b, 1973).Leçons de linguistique,1948-1949, série C, Grammaire

       particulière du français et grammaire générale (IV), publiées par Roch Valin, Québec,   

       Presses de l’Université Laval et Paris, Klincksieck.

  1. JOHNSON, Wendell (1977).Impossível redigir redação.In: Uso e mau uso da linguagem,

       org. por S. I. HAYAKAWA (Tradução: Paulo V. Damásio Filho). SP, Pioneira.

  1. LIMA, Lauro de Oliveira (1982).O ensino reprovado: adaptado por autor desconhecido de

      “Oliveira Lima: Acabou no Brasil a escola normal”. Int: O GLOBO, RJ, p. 12, 2ª clichê, 09:02.

  1. MIRA Y LÓPEZ, Emílio (1966).El pensamiento:leyes y factores, límites y possibilidades del

       pensamento. Buenos Aires, Editorial Kapelsusz.

  1. MIRANDA, José Fernando (1985).Arquitetura da redação.7ª ed., ampliada e reformulada,

       Sagra, 3º V.

  1. OLIVEIRA FILHO, Paulo de (1987).Fundamentos da redação.SP, Lua Nova Editora.
  2. RATHS, Louis Edward; ARTHUR, Jonas; ARNOLD, M. Rothstein e WASSERMANN, Selma

       (1977). Ensinar a pensar: teoria e aplicação. 2ª ed., SP, EPU. (Tradução: DANTE MOREIRA LEITE). 

Emprego do Infinitivo

ACADEMIA CEARENSE DA LÍNGUA PORTUGUESA – 40 anos

Hora do Vernáculo – Prof. Myrson Lima – Cadeira nº14 – 28.3.2017.

             

            O infinitivo é uma das três formas nominais do verbo (infinitivo – gerúndio – particípio).

             São assim chamadas, porque assumem a função de nome (substantivo – advérbio – adjetivo).

Exemplos:

Estudar dá cultura.

Estudando, conseguirás aprovação.

Encerrada a reunião, nós nos retiramos.

 

  1. Infinitivoimpessoal: É inflexível, sem sujeito. Apresenta o verbo sem nenhuma especificação de modo, de tempo, de número, de pessoa. É a forma que encontramos registrada nos dicionários. Corresponde a um substantivo puro e provém do infinitivo latino em – re. Exemplos: amare, venire, audire.

Exemplos: Orar e trabalhar são duas importantes atividades do ser humano. Viver. O maior mandamento é amar o próximo.

 

  1. Infinitivo pessoal: Há referência a uma pessoa do discurso. Possui sujeito próprio ou o mesmo sujeito do verbo com que se articula. Poderá ou não flexionar-se.

Exemplos:   

Declararam estar prontos para o concurso.

Elas supõem sermos honestos.   

 

  1. Infinitivo pessoal flexionado: com flexão de número e pessoa.

Exemplos: amar eu, amares tu, amar ele, amarmos nós, amardes vós, amarem eles.

Às vezes, com flexão zero (1ª. e 3ª. pessoas do singular)

É esse infinitivo pessoal flexionado, mal regulamentado pela gramática, que se constitui um idiotismo da língua portuguesa.

 

  1.  Infinitivo pessoal não flexionadohá referência a um sujeito, mas a forma se confunde com a do infinitivo impessoal. De uso frequente nas locuções verbais.

Exemplos:

Eles não podem fazer tudo sozinhos.

As crianças brincam sem saber que há perigos no jardim.

    Observações:

  • Não são claramente definidas pela gramática todas as regras do emprego do infinitivo pessoal flexionado e do infinitivo pessoal não flexionado. São registradas apenas as tendências que se observam em seu emprego.
  • A opção entre a forma flexionada ou não flexionada pertence mais ao campo da estilística do que propriamente da gramática.
  • Geralmente, quando mais se quer realçar a ação, prefere-se a forma não flexionada, quando se realça o agente, usa-se a forma flexionada.

 

               Infinitivo flexionado

É flexionado, entre outros casos, quando

  1. a)O verbo tiver sujeito próprio, diferente do sujeito da oração principal.

       Exemplo: Declaramos estarem prontos os trabalhos.

  1. b)O verbo for reflexivo.

Exemplo: Foram obrigados a se refugiarem ali.

  1. c)Quando houver ideia de reciprocidade.

Exemplo: Vivem juntos sem se incomodarem.

  1. d)Quando vier preposicionado, antecedendo a oração principal.

Exemplo: Para passares no processo seletivo, é preciso muito estudo.

 

Infinitivo não flexionado

É não flexionado, entre outros casos, quando houver

  1. a)o sujeito do infinitivo idêntico do verbo regente.

Exemplo: Declaramos estar prontos para a viagem.

  1. b)uma locução verbal.

Exemplo: Queremos sair cedo.

  1. c)um pronome oblíquo como sujeito do verbo seguinte.

Exemplo: Vi-o sair.

  1. d)um sentido passivo.

Exemplo: Textos fáceis de ler.

 

  • O infinitivo é, muitas vezes, confundido com o futuro do subjuntivo. Para que isso não ocorra, coloca-se antes a preposição por para identificar o infinitivo e a conjunção quando ou se para o caso de futuro do subjuntivo.

Exemplos: Foi condenado por falar a verdade. Quando eu falar a verdade…

 

Desafio 1

Vocês devem, sempre que possível, fazer ou fazerem a fiscalização?

Resposta:

A resposta é vocês devem fazer a fiscalização.

Regra: Em locuções verbais, deve-se usar o infinitivo pessoal não flexionado.

Outros exemplos:

Os peritos devem analisar o avião acidentado com urgência.

Os contribuintes poderão pagar antecipadamente o Imposto de Renda.

Vamos estudar todos os casos de corrupção.

Desafio 2

Os técnicos estão aqui para resolver ou resolverem o problema?

Resposta:

O correto é os técnicos estão aqui para resolver.

Regra: Quando o sujeito do infinitivo é o mesmo da primeira oração, deve-se usar a forma inflexionada.

Outros exemplos:

Os torcedores vieram ao estádio só para vaiar o time.

Nós saímos a fim de almoçar juntos.

 

Desafio 3

Declaramos estar ou estarem prontos os relatórios?

Resposta: A resposta é estarem prontos os relatórios.

Regra: O infinitivo se flexiona, quando os sujeitos dos verbos são diferentes.

Outros exemplos:

O diretor mandou os funcionários irem à reunião.

A bolsa fez os preços subirem.

 

Desafio 4

O professor liberou seus alunos para ir ou para irem ao jogo? 

Resposta: O aconselhável é o professor liberou os alunos para irem ao jogo.

Regra: Em caso de ambiguidade, é aconselhável flexionar o infinitivo.

Outros exemplos:

O juiz pediu aos escrivães para saírem da sala.

O fotógrafo solicitou aos presentes para mudarem a cena.

 

Desafio 5

Mandei-os entrar ou mandei-os entrarem?

Resposta: A resposta é mandei-os entrar.

Regra: Se o sujeito do infinitivo for expresso por um pronome oblíquo (= o, os, a, as, lo, los, la, las no, na, nos, etc.), com verbos causativos ou sensitivos (mandar, deixar, fazer, ver, ouvir, sentir e sinônimos), a praxe é não flexionar o infinitivo.

Outros exemplos:

Fui vê-los fazer a apreensão / Fui ver os auditores fazerem a apreensão.  

Deixei-os sair para a palestra / Deixei os alunos saírem para a palestra.

Fizeram-nos renunciar ao mandato / Fizeram os deputados renunciarem ao mandato.

 

Desafio 6

Eles foram proibidos de sair ou saírem?

Resposta: O aconselhável é foram proibidos de sair.

 Regra: Não se flexiona o infinitivo com preposição que funcione como complemento de substantivo, adjetivo ou do próprio verbo principal.

Outros exemplos:

Os manifestantes foram impedidos de entrar. Os retardatários foram obrigados a ficar em pé.Eles têm necessidade de estar sempre discutindo.

 

Desafio 7

Foram obrigados a se refugiar ou se refugiarem no banco?

Resposta: O aconselhável é foram obrigados a se refugiarem.

Regra: O infinitivo se flexiona, se o verbo for reflexivo.

Outros exemplos:

As crianças tiveram de se esconderem do psicopata.

Os acusados foram convidados a se apresentarem ao chefe.

 

Desafio 8

Vivem juntos sem se incomodar ou se incomodarem?

Resposta: O usual é vivem juntos sem se incomodarem.

Regra: Quando houver ideia de reciprocidade, o infinitivo se flexiona.

Outros exemplos:

Eles convivem sob o mesmo teto sem se agredirem.

Eles saíram da reunião após se cumprimentarem.

 

Desafio 9

Textos fáceis de interpretar ou textos fáceis de interpretarem?

Resposta: O aconselhável é textos fáceis de interpretar.

Regra: Quando houver o sentido passivo, o infinitivo não se flexiona.

Outros exemplos:

Havia relatórios difíceis de concluir.

Tabelas fáceis de elaborar.

 

Desafio 10

Alegram-se por ter ou terem visto o cantor?

Resposta: O aconselhável é alegram-se por terem visto o cantor.

Regra: Para alguns gramáticos, convém flexionar o infinitivo, quando é possível a substituição por uma forma modal.

Explicação: Alegram-se por terem visto o cantor (alegram-se, porque viram o cantor)

Outros exemplos:

Já tivemos oportunidade de nos retratarmos. (de que nos retratássemos)

Afirmo terem chegado os computadores. (que chegaram)

Treinar os atletas para estarem aptos a competir. (para que compitam)

REMÉDIO PARA BARATA

(Periplaneta americana)

Vianney Mesquita

Em determinada ocasião, aqui em Fortaleza, fui a um depósito de material de construção, em verdade um empório de mercadorias não comestíveis, em razão da enorme variedade de produtos, e pedi a um dos caixeiros (palavra fora de moda = balconista) algum REMÉDIO PARA BARATAS.

Incontinenti, ele, alegre e zombeteiro, me respondeu, indagando: – “Então, as bichinha do senhor tão doente?” (sic).

A pergunta produziu nas demais pessoas, de fora e dentro do balcão, um jorro de riso, pela graça realmente originada, em decorrência da falta de conhecimento – dele e de seus circunstantes – a respeito das características homonímicas e polissêmicas de termos e dicções do léxico português, fato, aliás, a tornar este código glossológico uma língua admiravelmente literária.

A surpresa e o aborrecimento, entretanto, bem depois, se dissolveram, quando cuidei do fato de aqueles compradores e caixeiros da loja constituírem um conjunto desprovido de maiores haveres informativos, com escolaridade insuficiente para o alcance daquilo por mim retrucado, ao explicar ao protagonista do chiste, evidentemente com termos diversos dos expressos à frente, o fato de ele não ter razão, pois REMÉDIO possui diversas acepções, aplicáveis na dependência de certas necessidades e circunstâncias.

Impossível é dizer, todavia, não me haja o motejo causado enfado, conforme adiantei, notadamente pelo fato de haver ocorrido publicamente. Passemos a refletir, contudo, tendo por mote este sucesso passado no depósito, a respeito de algumas significações do termo “remédio”.

Antônio Houaiss e Mauro de Salles Villar (Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Objetiva, 2005) colheram no Fichário do Índice do Vocabulário Português Medieval, de Antônio Geraldo da Cunha (Fundação Casa de Rui Barbosa. Rio de Janeiro, 1986), o ano de1390 como o de registro do vocábulo REMÉDIO, palavra polissêmica por excelência, consoante pode ser divisado à frente.

Cumpre informar, por oportuno, o significado, em Lexicologia e Linguística, do termo polissemia, hic est, a propriedade de certas palavras e expressões denotarem bem mais de um sentido, como  ocorrente em:

–  manga –1 de camisa; 2 de farol; 3 fruta (propriedade do fruto comestível); 4 local de pastagem de animais; 5 verbo mangar; etc.;

 

– quarto – 1 posição de número quatro numa sequência; 2 correspondente a cada uma das partes da divisão de um todo (um quarto de litro); 3 aposento ou divisão da casa onde se dorme (alcova, dormitório); 4 partes laterais da região da coxa (meia bunda) etc.

– prato – 1 vasilha; 2 comida; 3 iguaria; 4 de balança; 4 de banda de música; 5 manzape; 6 guloseima, 7 notícia em voga (prato do dia) etc.

Sob o prisma da Gramática, a polissemia é fenômeno ordinário nas línguas naturais, sendo incontáveis os vocábulos expressos por seu intermédio. É diferente de homonimia, por ser a mesma palavra e não unidades de ideias com procedências diversas, as quais convergiram foneticamente.

São causas da polissemia, apontadas por Houaiss e Villar (Opus citatum):

–  empregos figurados, por metáfora ou metonímia, extensão de sentido, analogia etc; e

–  empréstimo de acepção expressa pela palavra noutra língua.

Seu étimo é do francês polysémie, procedente do grego polúsëmos, os on, – “com muitos sentidos” (grego poli- = numeroso; sema- = ato, sinal, marca + o sufixo ia).

REMÉDIO é, pois, como exprimi, noutros torneios, para o caixeiro do depósito à Avenida Jovita Feitosa, aqui na Capital, em acepção estendida, tudo aquilo – substância ou recurso – empregado não somente para combater uma doença ou fazer cessar uma dor, mas também expediente para amatar sofrimentos morais, atenuar os males da vida, eliminar uma inconveniência, um mal, um transtorno.

REMÉDIO configura um recurso, uma solução; instrumento de proteção, para auxilio ou remendo de falha ou defeito. É emenda, corretivo, “regulagem”, retificação.

Como vocábulo polissêmico por excelência, por exemplo, no campo jurídico, refere-se a uma providência para reparar um dano ou estabelecer relação de direito interrompida (“REMÉDIO jurídico”). A Penitência ou Confissão, terceiro Mandamento da Igreja Católica, é “REMÉDIO” religioso; no mesmo passo, a seção do divã do psicanalista representa “REMÉDIO” psicológico.

Na sua ampla variação sinonímica, REMÉDIO” é, ainda, droga, emenda, expediente, forma, jeito, maneira, medicamento, meizinha, curativo, penso, modo, recusa, saída, salvatório.

Por qual pretexto, então, remédio deixaria de ser veneno para acabar com as minhas saudáveis e serelepes “Periplanetae americanae” de estimação?

OBS. Peço atenção para o fato de eu não haver empregado vez nenhuma a partícula “quê”, para render homenagem ao professor. e nosso acadêmico, Itamar Espíndola, o qual era “quêfobo