ACLP lança edital para preenchimento de três cadeiras

Edital 01/2019

Academia Cearense da Língua Portuguesa (ACLP), representada pelo presidente Sebastião Teoberto Mourão Landim e atendendo ao disposto em seu Estatuto, abre inscrições para preenchimento das cadeiras  21, 23 e 33, conforme regulamentação a seguir:

1) Para ser eleito Associado Efetivo, deverá o candidato:

  1. a) ser residente e domiciliado no Estado do Ceará;
  2. b) ter boa conduta;
  3. c) concordar com o Estatuto e com os princípios nele definidos, mediante declaração de que o leu no Site da Academia Cearense da Língua Portuguesa – aclp.com.br;
  4. d) haver publicado trabalho de natureza gramatical, filológica ou linguística sobre a Língua Portuguesa ou apresentar produção científica e literária que prime não só pelo ponto de vista da expressão linguística portuguesa, mas também pelo valor científico e criatividade literária, méritos a serem arbitrados e mensurados por comissão mista instituída pela Academia para esse fim.

2) A proposta para a admissão de associado será apresentada por 3 (três) associados efetivos e entregue no ato da inscrição.

3) À proposta serão anexados os trabalhos do candidato e seu curriculum vitae.

4) A proposta terá entrada na Secretaria da ACLP em Fortaleza, no Palácio da Luz, nº 1, Centro, até 28 de fevereiro de 2019, das 9 às 16 horas.

5) O candidato proposto apresentará o comprovante bancário de pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais), no Banco do Brasil, agência 3296-4, poupança, com variação 51, conta 300.000-1, em nome da confreira Giselda de Medeiros Albuquerque, podendo o pagamento ser feito, também, no ato da inscrição.

6) Deverá o postulante preencher uma ficha, no ato da inscrição, e assinar declaração de que se compromete a frequentar anualmente no mínimo 50% (cinquenta por cento) das reuniões ordinárias mensais e solenes, salvo em caso de justificativas por razões de saúde, aprovadas em ata, e a manter as mensalidades em dia, nunca ficando inadimplente por mais de seis mensalidades, sob pena de perda da condição de acadêmico da ACLP, conforme normas estatutárias.

Fortaleza, 28 de janeiro de 2019.

Sebastião Teoberto Mourão Landim (Presidente da ACLP)

Beija-flor

Regina Barros Leal (Membro titular da ACLP – Cadeira nº 24)

Contemplo os pássaros, espargindo alegria
São os beija-flores! Que no canto, encantam!
Descobre-se, no voo, o belo em perfeita harmonia
Como os amores eternos, que nos alcançam e fascinam

As rosas exalam o perfume, o aroma perfeito
Os pássaros sorvem o néctar, com delicadeza
O belo se expande, no magistral pleno feito
A natureza expressa a inspiradora beleza

 Diante desse espetáculo, face ao seu esplendor
Contemplo, em êxtase, o mistério infinito
E as lágrimas mergulham no oceano do amor

 Assim, elevada, escrevo sonetos e lindas canções
Exalto a vida, o cosmo, o universo, a infindável grandeza
Vivendo no agora, registro o poético, das sutis emoções

Dois sonetos decassilábicos de Vianney Mesquita

Até mais, 2018 – Benvindo, 2019!

VIANNEY MESQUITA, membro titular da Academia Cearense da Língua Portuguesa – Cadeira nº 37, tendo como patrono Estêvão Cruz.

“O dente do tempo rói”. Péssima metáfora, pois o tempo,
velho como já é, já não tem um dente sequer!
(Heinrich Heine. Poeta romântico alemão. Dusseldorf, 13.12.1797; Paris, 17.02.1856).

Ide sozinho, desacompanhado
Do vosso antecessor, meio aziago,
Dois mil e dezessete, um vero estrago
No sonho por bilhões acalentado.

Por terdes mil desditas superado
Eu de vós fiz um junguiano imago
E, a três dias do final, divago
Acerca do bem que haveis operado.

Sem, por demais, me pretender afoito,
A mim nesta passagem o que me move
É de todos vontade, à qual dou coito:

Que tais razões a Providência aprove.
Até mais ver-vos dois mil e dezoito!
Benvindo sois, dois mil e dezenove!

Imponderabilidade
(Para o Filósofo Prof. Dr. Auto Filho)

Márcio Catunda – quadras / Vianney Mesquita – trísticos

Não tenhas a curiosidade de conhecer as coisas ocultas.
 (SANTO ISIDORO. Cartagena – Espanha, 560; Sevilha, 636).

Tragam-me as teorias da Ciência
Para explicar a vida, esse mistério.
De cismar no problema da consciência
Se equivoca o pensador mais sério.

Impulsado com tanta incoerência,
Pela morte, que evoca o cemitério,
Deriva o carrossel da impermanência,
Com o ímpeto voraz de um impropério.

Juntem-se, pois, as metodologias,
E ver-se-á que as gnosiologias
São incapazes de ler o insondável.

Nos rasos laivos das filosofias,
Ao se adicionarem as aporias,
Jamais se adentrará o imponderável!

A poesia do Natal na Academia Cearense da Língua Portuguesa

Sem milagre

 Gorete Oliveira (Cadeira nº 1)

É quase meia-noite
É noite de Natal
Estou num paraíso
Mas não inteiramente
Meu coração não está aqui
Espero um milagre
Os minutos passam
E eu espero
Eu peço ao Menino Pequenino
Um grande milagre de Natal
A noite é fria
Mas minh’alma tem febre
Os jardins estão iluminados
As flores sorriem
Espero o milagre
A noite avança
E eu espero
Cantam aqui hinos e salmos
Mas a alma está silente
O telefone também
As vozes cortam o ar
O silêncio, meu coração
Os ponteiros correm
Meu milagre não vem
A esperança consola
Ainda há tempo
E eu espero
O céu se ilumina
É meia-noite
É Natal!
Meu milagre não veio
Estou num paraíso
Voam por aí anjos e querubins
Mas falta uma estrela
Brilhar no caminho
Falta um sininho
Tocar para mim.

Adormeço.

(Meruoca, 24 de dezembro de 2002)

Presença de Natal

Maria Luisa Bomfim (Cadeira nº 3)

Na manjedoura,
o Menino Deus.
Ajoelhados,
José e Maria.
Chegam
pastores e Reis Magos
seguindo a estrela guia.

Anjos flutuam no ar
Cantando para o Menino,
melodias que vêm do céu
e falam de Esperança.

É a instauração do amor,
é uma paz infinita.
É a presença de
Deus,
é o Natal que chegou.

Natal

Giselda Medeiros (Cadeira nº 16)

A mesa está posta:
os vinhos gelados,
comidas gostosas,
os trajes de gala,
sapatos macios…
e mentes vazias!

As vozes que cantam
sob os violões
cantigas de louco
nem ouvem os sinos
que tocam distante
ao longe chamando
à mesa de Deus,
sem vinhos gelados
sem pratos gostosos
sem trajes de gala,
mas lá onde os anjos,
servindo aos convivas,
entoam cantigas,
cantigas do céu,
deixando no prato
a paz e o amor
e, à mesma mesa,
o servo e o Senhor!

E pensa, e pensa profundo,
com essa luz que te guia:
“o maior Homem do mundo
nasceu numa estrebaria”.

Natal nordestino

Italo Gurgel (Cadeira nº 17)

Quero um Natal sem barbas ou sentimentos postiços,
Sem falsa neve caindo do céu tropical
E sem a falsa alegria
De papais noéis adiposos.

Quero um Natal de luzes lamparinas
Alumiando preces sertanejas.
Quero o silêncio dos jingobéus edulcorados
Para ouvir as rabecas em oração.

Quero um Natal como Ele quis:
Sem mãos estendidas nas esquinas
E sem a cusparada da opulência
No rosto dos deserdados.

Quero o Natal festejado em Vaticano de taipa,
Sem faustos, tapetes ou dosséis,
Como era, no tempo da estrela guia,
A casa de José – a casa e a marcenaria.

Quero um Natal sem mantos dourados,
Mas também sem trapos nem farrapos,
Sem balas nem crianças perdidas
Nos desvãos do crack e da miséria.

Quero um Natal sem o preconceito
Que corrói o coração dos ignaros.
Quero um Natal nordestino, aberto a todos os abraços,
Um Natal francisco, como Francisco, certamente, sempre quis.

Aquele que é

Révia Heculano (Cadeira nº 34)

Maria e o menino pequenino…
Cercam-lhes olhos de diversas faces:
Faces de homens, de crianças, de anjos.
Trombetas ecoam vendo a Face anunciada…
Na veste dos arcanjos, aragem de estrelas
Potestades!

O afável dedo erguido do menino pequenino
aponta a tempestade se fazendo calmaria
uns pés extenuados caminhando sobre a vaga
e o cuspo de sua língua desvelando lume ao cego…
O menino pequenino fará saltar o coxo,
fará o surdo ouvir e os mudos por sua mão loas entoarão.
Numa ira expulsará do templo vendilhões,
mas, humilde, há de lavar pés de doze santos.
O menino pequenino carregará nas costas multidões
e gritará ao abandono entre dois ladrões.

Roberto Pontes, poeta convidado

Francisco Roberto Silveira de Pontes Medeiros, nascido em Fortaleza/CE, é poeta, crítico, ensaísta e tradutor. Foi professor do Departamento de Literatura e do Programa de Pós-Graduação em Letras/Literatura do Curso de Letras da Universidade Federal do Ceará de 1991 a 2014. Em 2014, aposentou-se da atividade docente na UFC, passando a dedicar-se à literatura e à música, com destaque sempre para a poesia. Nesse mesmo ano recebeu o Prêmio Nacional de Literatura PEN Clube do Brasil,  concedido ao seu livro “O Jogo de duplos na poesia de Sá-Carneiro”.

O cartão-poema acima reproduzido nos foi enviado pela acadêmica Maria Elias Soares (Cadeira nº 15).

Autocídio frustrado

VIANNEY MESQUITA, membro titular da Academia Cearense da Língua Portuguesa – Cadeira nº 37, tendo como patrono Estêvão Cruz.

É próprio do covarde desejar a morte.
(Públio OVÍDIO Nasão).

Agora, quando perfaz o tempo de 50 anos da edição do Ato Institucional número 5 (13 de dezembro de 1968), transfiro esta estória – sem ocorrência confirmada, é claro – de um rapaz de 24 anos que, de mal com a vida, tentava de todas as maneiras perpetrar a autoinflição. Em decorrência, entretanto, de circunstâncias alheias à sua vontade, por mais que tenha tentado, esta não se consumava.

Experimentou, por várias vezes, operar o auto-óbito, mas sem sucesso para seu decesso. Em certa oportunidade, achou de contar a melódia para alguns elementos de sua matula, alguns dos quais bastante gaiatos – coisa, aliás, consabida como muito comum da molecagem cearense – que conversavam na calçada d’A Miscelânea, na rua Pedro Borges, Praça do Ferreira, em Fortaleza. Isto sucedeu no dia 19 de dezembro do ano à frente expresso, quando se desenvolviam as preliminares natalinas de enfeites das ruas e ornato das coisas em preparo para as circunstâncias de final de ano.

Corria, vagaroso, o fatídico 1968, com a ocorrência de motos populares em todo o Mundo – principalmente em França, e na China, no terceiro ano da Revolução Cultural empreendida por Mao-Tse-Tung, desde 1966 e estendida a 1976.

No Brasil, transcorria o quinto aniversário da gloriosa, no fim do qual fora assinado o citado e famoso AI – 5, componente mais pesado dos 17 decretos firmados durante o governo civil-militar instalado em 1964. O chamado golpe dentro do golpe, pelo jornal Correio da Manhã, teve a assinatura (com o polegar direito, almofada e mata-borrão perto – diz a rafameia do PSD) encabeçada pelo presidente, Marechal Arthur da Costa e Silva, acolitado por seu Ministério. (Os estudantes do Liceu, que andavam nos ônibus do seu Oscar Jathay Pedreira, diziam que o Marechal só andava com as mãos nos bolsos, exatamente, para conservar a ditadura!)

O Elisiário, protagonista desta estória, contabilizara no passivo uma série de desencantos, como o passamento do Eliseu, seu irmão, a perda do emprego nas Lojas Novail, onde trabalhara por seis anos, e algumas outras decepções carregadas, como o “belo par” com o qual a ex-namorada, Ritinha, havia enfeitado sua cabeça, principalmente (veio a saber, depois, pelo Fernando Siqueira) porque, dissera ela, o pretexto ter sido a quebradeira que, de inopino, se abatera sobre o Filho do seu Elísio, agora liso.

Ler mais…Autocídio frustrado

Fraternos abraços, mensagens inspiradas, saudades… É o Natal da ACLP

Em torno das grandes mesas, o festivo encontro dos acadêmicos e seus familiares.
Teoberto Landim, Myrson Lima e Regine Limaverde.

Em ambiente descontraído, ornado de belos pronunciamentos, a Academia Cearense da Língua Portuguesa (ACLP) realizou nessa terça-feira, 11 de dezembro, sua confraternização natalina. O cenário foi um dos salões privativos do restaurante Dallas Grill, onde tudo aconteceu como manda o espírito natalino, com o sorteio de brindes, a troca de presentes envolvendo “amigos secretos”, as mensagens inspiradas, os drinks, o jantar de variadíssimos pratos…

Moura e Lúcia, os ganhadores de disputada orquídea.

O presidente Teoberto Landim saudou os acadêmicos e acompanhantes e ressaltou a importância dos elos fraternais para fortalecimento da própria Academia. Seguiu-se o ritual festivo, que culminou com a bela mensagem de Natal. Tradicionalmente, nessas ocasiões, quem brindava os presentes com seus textos poéticos era o acadêmico Horácio Dídimo. Este ano, com a morte do querido mestre, a honrosa missão foi confiada ao acadêmico Batista de Lima, que dissertou sobre um Natal nordestino eivado de símbolos que foi captar nas mais belas páginas da Literatura brasileira (veja, abaixo, o texto integral da mensagem).

Vicente Alencar lembrou, em versos, os sinos das igrejas de Fortaleza, que aos poucos vão silenciando. Houve, ainda, momentos de saudade, quando Myrson Lima homenageou Genuíno Sales, outro estimado e talentoso confrade falecido no corrente ano.