Uso do ‘a’ ou ‘há’

Prof. Mourão – Acadêmico da cadeira nº 19, cujo Patrono é José de Sá Nunes.

 

  • Use há: a) quando indicar tempo decorrido, passado; quando equivalente a faz; b) quando for verbo haver no sentido de existir. O certo é, então: há dez dias, há duas semanas, porque há já quer dizer tempo passado, tempo passado, atrás. Ex.:

1) Não a vejo há mais de uma semana.

= Não a vejo faz mais de uma semana.

2) Há muitos torcedores no estádio.

= Existem muitos torcedores no estádio.

3) “Há bem pouco tempo que existiam ainda em certas ruas desta cidade cruzes negras pregadas pelas paredes de espaço em espaço.” = tempo decorrido. (Manuel Antônio de Almeida. Memórias de um Sargento de Milícias).

  • Use a: a) quando indicar tempo futuro; indicar distância, medida; b) quando admitir substituição pelas preposições em ou com. Ex.:

1) Eu confessarei tudo daqui a dez dias (tempo futuro).

2) Minha casa fica a duas quadras daqui (distância, medida).

3) Minha casa fica a três km do centro (distância, medida).

4) Estarei aqui a tempo para assinar o documento (em tempo, com tempo).

MAR TEMPESTUOSO

Vianney Mesquita*

 

Oh, Mar, solitário noivo da tormenta, inutilmente é que ergues as ondas para seguir teu amor! (Rabindranath Tagore).

 

Sou na essência um bote que navega

No embalo alucinante e aterrador;

Nada mais do que humilde pescador

Por vagas netunais embevecido.

 

Fitando qual um louco a espuma cega,

Pelejas d’água e areia vejo um ror;

Desencadeia um turbilhão de dor

E o rude escaler vira vencido.

 

Talvez mais tarde queira a calmaria

Eu seja a mansa linfa e que, um dia,

Beije e abrace as ondas virginais.

 

A vida, entanto, é mar tempestuoso,

Dançando acelerado e tenebroso,

Numa perene orquestração de ais.

ÓCIO-PURO

Fazer nada é forjar em forno frio,

É fazer fé na fronte dos malucos;

É atiçar lamparina sem pavio

E duvidar da liquidez dos sucos.

 

Fazer nada requer regar o rio,

Remar a ré no rastro dos caducos.

É, cegamente, acreditar num fio

De masculinidade nos eunucos.

 

Fazer nada é, por final, amigo!

É o cogitar em certas ilações:

Na certeza iminente de perigo

Que a lazeirenta fome dos leões

Costuma produzir nos corações

Que os cardiopatas conduzem consigo!

 

(Extraído de MESQUITA, Vianney in: Repertório Transcrito – Notas críticas ativas e passivas. Sobral: Edições UVA, 2003. Os tercetos se baseiam em ideia do dr. Remo Figueiredo Filho)

EDITAL – PREENCHIMENTO DE DUAS CADEIRAS VAGAS


ACADEMIA CEARENSE DA LÍNGUA PORTUGUESA (ACLP)
EDITAL 04/2017

DECLARAÇÃO DE CADEIRAS VAGAS E ABERTURA DE INSCRIÇÕES DE CANDIDATOS PARA PREENCHÊ-LAS

A ACADEMIA CEARENSE DA LÍNGUA PORTUGUESA (ACLP), conforme o disposto em seu Estatuto, aqui representada por seu presidente Sebastião Valdemir Mourão, declara as cadeiras 1 e 40 vagas e abre inscrições para preenchimento das referidas cadeiras, conforme regulamentação a seguir:

1) -Para ser eleito associado efetivo, deverá o candidato

  1. ser residente e domiciliado no Estado do Ceará;
  2. ter boa conduta;
  3. concordar com o Estatuto e com os princípios nele definidos, mediante declaração de que o leu no Blog da Academia Cearense da Língua Portuguesa: aclp.com.br
  4. haver publicado trabalho de natureza gramatical, filológica ou linguística sobre a Língua Portuguesa ou apresentar produção científica e literária que prime não só pelo ponto de vista da expressão linguística portuguesa, mas também pelo valor científico e criatividade literária, de méritos a serem arbitrados e mensurados por comissão mista instituída pela Academia para esse fim.

2) – A proposta para a admissão de associado será apresentada por 3 (três) associados efetivos entregues no ato da inscrição.

3) – À proposta serão anexados os trabalhos do candidato e seu curriculum vitae.

4) – A proposta terá entrada na Secretaria da ACLP em Fortaleza, no Palácio da Luz, nº 1, Centro, até 21 de agosto de 2017, das 9 às 16 horas.

5) – O candidato proposto apresentará o comprovante bancário de pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais), no Banco do Brasil, agência 3296-4, poupança, com variação 51, conta 300.000-1 em nome da tesoureira Giselda de Medeiros Albuquerque ou pagá-la no ato da inscrição.

6) – Deverá preencher, no ato da inscrição, uma ficha e assinar declaração de que se compromete a frequentar anualmente no mínimo 50% (cinquenta por cento) das reuniões ordinárias mensais e solenes, salvo em caso de justificativas por razões de saúde, aprovadas em ata, e a manter as mensalidades em dia, nunca ficando inadimplente por mais de seis mensalidades, sob pena de perda da condição de acadêmico da ACLP, conforme normas estatutárias.

Fortaleza, 6 de julho de 2017.
Sebastião Valdemir Mourão
Presidente da ACLP

Discurso de Recepção – Posse 29/10/2016

POSSE SÊXTUPLA NA ACADEMIA CEARENSE DA LÍNGUA PORTUGUESA

Vianney Mesquita

A  língua é um instrumento cujas
molas não convém deixemos ranger.
(RIVAROL).

(Antes de ferir esta oração, homenageio, nos 39 anos de criada a Academia, a figura emblemática de um dos instituidores deste Silogeu, o acadêmico e linguista Itamar Santiago de Espíndola, o qual se dizia quêfobo).

Esta referência descansa na ideação de não empregar, na elocução a ser proferida, em nenhuma ocasião, a palavra que).

Conquanto expressa recorrentemente, no entanto sem se tornar chavão, invito a sentença latina procedente do moto filosófico configurado na Escolástica: Esto brevis et placebis.

Embora suficientemente embaraçoso, pelo mundo de novos acadêmicos presentemente distinguidos, obedeço ao Serei breve para ser agradável, o lacial anexim expresso com vistas a não atemorizar os circunstantes com a imaginável longuidão da minha homilia (nisto não incorrerei), ao recepcionar meia dúzia de lentes, ora tornados partes titulares desde Sodalício, hoje com 39 anos perfeitos, em pleno vigor de atuação, desde quando fundado a instâncias do inolvidável mestre maior, cujo nome pronunciamos com saudade e respeito: Professor Hélio de Sousa Melo.

Ler mais…Discurso de Recepção – Posse 29/10/2016