Promoção de saúde na escola

Vianney Mesquita (1)

Um pobre são, e alentado de forças, vale mais do que
um rico fraco, e atormentado de doenças.
A saúde da alma em santidade de justiça é melhor do que todo ouro
e prata, e o corpo robusto vale mais do que imensos bens.
Não há riquezas maiores do que as da saúde do corpo,
nem contentamento que seja igual à alegria do coração.
(ECLO., 30-14, 15-16).

Reiteram-se nos derradeiros anos, sem explicação plausível para a ocorrência (porquanto, quase sempre, espécimes distantes das nossas linhas de exame), os convites para que descerremos o conteúdo de obras com teor didático-científico lavradas na ambiência acadêmica, procedentes de tarefas formais de programas de mestrado e doutorado, resultados exitosos de experimentos laboratoriais, artigos, relatórios de pesquisas e escritos assemelhados, produzidos na contingência universitária do Ceará, todos eles, afortunadamente, de supina qualidade.

A verdade referida por derradeiro – convém dizer, e com o máximo regozijo – é denotativa do estudo adrede, sério e denodado desenvolvido pelo nosso episcopado acadêmico, ao entregar para a comunidade científica mais alargada, configurada nos receptores afins às matérias, de outros Estados-Membros do Brasil, bem como do Exterior, um conjunto de saberes sistematizados, tomados pela observação, identificação, busca e explicação de certas categorias de fenômenos e fatos, acolhidos com supedâneo no método e na razão.

Muito nos envaidece e honra, portanto, o fato de nos solicitarem juízos apreciativos de suas produções. Não empregamos como prática denegar essas instâncias, porquanto, na sua maior parte, são escritos de boa qualidade, restando difícil, impossível honestamente, a respeito deles proceder a comentários desairosos, porquanto seus teores não permitem contra si o assaque de  inverdades. Recusamos, entretanto – e para não inventar fingidos aplausos, tampouco repreender por defeitos – quando o material é deseixado das prendas literocientíficas mínimas exigíveis de textos com esses teores, mormente se provierem de institutos de ensino, pesquisa e extensão.

No concernente à forma da seleta de escritos, a qual configura o continente de organização desta antologia na grande área da Educação e da Saúde, intitulada Promoção da Saúde nos Espaços Educacionais, do qual fazemos notas com ingente prazer, já experimentamos a chance de nos exprimir adepto e defensor da junção temática, no continente livro, de condensações, artigos, crônicas, resenhas, ensaios, recensões, editoriais e outras taxinomias de escritos elaborados como tarefas oriundas do trato universitário.

Este é um expediente a que recorrem os mais renomeados escritores, como, num exemplo em mais de mil, Umberto Eco, para quem as coletâneas podem ser encaradas como uma galáxia de observações não totalmente desconexas, entre as quais quem lê poderá estabelecer as ligações que lhe parecerem oportunas. (SANTOS, Luís Sérgio. In: MESQUITA, Vianney. Impressões – Estudos de Literatura e Comunicação. Fortaleza: Agora, 1989).

Promoção da Saúde é matéria de relevo, cujo zênite do debate, em virtude da sua relevância, sucedeu em 1986, na Conferência de Otawa, realizada pela OMS, de onde procedeu a Carta do mesmo nome, documento-chave para várias promoções da espécie, extensão de outros encontros afins, como, v.g., o evento cimeiro sobre Cuidados Primários, acontecido em Alma-Atá, no Cazaquistão, em 1978. No entendimento do que foi expresso na Capital do Canadá, a noção de promover saúde decorre da habilitação de pessoas e comunidades em geral – no caso do recheio do livro sob relação, com programas junto às escolas – reunindo as grandes áreas de Educação e de Saúde – para que mudem as condições determinativas de saúde, em proveito da qualidade para a higidez global de cada pessoa, sem que isto queira dizer apenas ausência de doença, para o que a Organização Mundial de Saúde – OMS pede que se atente.

A coletânea sob comento engloba diversificada subtemática extraída das classificações de Promoção da Saúde, conformada por nada menos do que 18 capítulos, da autoria plural de 55 especialistas, a maioria do Brasil – e do Ceará, contando com investigadores espanhóis e a reunião de profissionais de setores diversificados da Saúde, bem assim de Educação e áreas outras do conhecimento, como, e.g., Administração de Empresas, Matemática, Filosofia e Biologia.

Os textos das quase duas dezenas de ensaios que perfazem este Promoção da Saúde nos Espaços Educacionais procuram circundar, o máximo possível, a pauta de assuntos vinculados à Promoção da Saúde em aplicação na seara educacional, com vistas a concertar o desiderato do prefalado Documento de Otawa, que é capacitar a sociedade, via escola, a fim de transmudar as circunstâncias determinantes de saúde em proveito da higidez completa de cada qual, isto é, não apenas a inexistência de patologias, mas na intenção de lograr a realidade de uma pessoa sem doença e, acrescidamente, feliz, conforme intenta a OMS e consoante todos  aspiramos.

O livro, organizado pelos professores-doutores Ana Maria Fontenele Catrib, Valentin Gavídia Catalan e Lídia Andrade Lourinho, todos de reconhecida competência acadêmico-científica na contextura do Brasil e do estrangeiro, traz a chancela de pesquisadores celebrados na ambiência produtiva de ciências, no País e no Exterior, e cuida de temas já estudados e referendados, a maioria, por bancas examinadoras de programas universitários de pós-graduação em senso estreito.

Desta sorte, sob o prisma da realidade científica e na óptica real e prática da consorciação das atividades da Educação e da Saúde, esta seleção de escritos constitui repositório de relevo a fim de demandar soluções para os singulares ou mais sérios problemas arrostados pela população nacional, no concernente a promover a saúde tendo por leito de desfecho o chão da sala de aula e seus desdobramentos pedagógicos.

(1) Vianney Mesquita é professor adjunto IV da Universidade Federal do Ceará. Escritor e Jornalista. Árcade titular e fundador da Arcádia Nova Palmaciana; acadêmico titular das Academias Cearense da Língua Portuguesa e Cearense de Literatura e Jornalismo. Membro do Conselho Curador da Fundação Cearense de Pesquisa e Cultura, da U.F.C.

Compartilhar