ACADEMIA CEARENSE DA
LíNGUA PORTUGUESA

dulcisonam et canoram linguam cano

Sursum corda!

Webmaster

Vianney Mesquita

Contabiliza-se, em 2016, o período de 790 anos, considerado desde o trânsito do Santo de Assis, ocorrido em 04 de outubro de 1226, depois de sua caminhada pela Terra inscrita no exemplo e na prática da mais absoluta indigência, como medida para modelar os procedimentos de seres a quem o Pai concedeu inteligência, com o propósito de conduzir a Anima nobili à Glória Celestial.

Igual ciclo perfaz, agora, a literatura de conteúdo franciscano, inaugurada pouco depois de Francisco ascender ao Assento Etéreo e exercitada por milhares (talvez até milhões) de comentaristas em todo o Mundo e no decorrer de tão prolongada era.

Tal circunstância espaçotemporal conduz até a se pensar que inexiste indicativo novo concernente à faustosa narrativa deixada à posteridade sobre a trajetória do menino rico João Pedro Bernardone e frade pobríssimo, por opção, hajam vistas as possíveis e imagináveis ópticas mediante as quais foram avistadas, neste larguíssimo intervalo, as virtudes e a irrestrita inteireza são-franciscanas, fontes de inesgotável encantamento por parte do Gênero Humano, de todos os estratos, raças e confissões – notadamente as cristãs – gentios e heréticos.

São Francisco de Assis – Alegria e Santidade na Pobreza (Abordagem Teológica Franciscana) foi editado realmente em quadra embaraçosa desta nossa lábil passagem terrena, quando inusitados entendimentos são, in limine, recepcionados e experimentados por muitos, embora à míngua de consenso e não se sabendo, ainda, se subsistem propriedade nesse acolhimento e justeza no seu exercício, tampouco sem podermos perceber uma conjectura de naturalidade vital própria das comunidades em evolução ou uma circunstância desastrosa de ocorrência futura para nossa espécie.

Socorro Lima Mesquita, entretanto, ousa – e com êxito – recobrar o status quo europeu sucedido durante os séculos XII e XIII, nomeadamente no Trecento, que viram se desenvolver a geração franciscense, cuidando de cotejar os juízos em curso naquele tempo com os arquétipos correntes, jungidos, em particular, às assimilações de subordinação a proveitos econômicos.

Dessa maneira, sob favorecimento de escrituras de muito boa cepa, consideravelmente apreciadas, tanto atinentes àquela fase, quanto relativas ao ensejo fluente, a Autora procede, no rico decurso de narração da história, a comparações das duas épocas, ao divisar, v.g., entre outros aspectos, suas diferenças e aproximações.

Inclui e discute com detença a ideia de escassez de bens materiais em São Francisco, antevista por hagiógrafos de nomeada, como, verbi gratia, Giovanni de Fidanza (São Boaventura) e Tomaz de Celano, a semelhante passo em que se reporta à hodierna opinião de escritores francisco-assisenses diversos, arrimando-se, também, na ideação de Sociedade do Espetáculo, magnificamente descortinada pelo sociólogo francês, de notoriedade mundial, Guy Debord.

De idêntica maneira, ela recorre às distintas circunspecções da personalidade extraordinária, conformada no Papa Francisco, acerca das atuais posições pretensamente vantajosas, assumidas pela maioria das pessoas e conducentes à obtenção dos mais “valiosos” e notoriamente enganosos dividendos terrenos.

Sem prejuízo da linguagem digna e correta e em alçada energia de ânimos analogamente elevados sob o prisma da reflexão, Socorro Lima Mesquita oferece ao leitor um escrito claro, meramente expressivo, revelador de uma eloquência manifesta em evidente simplicidade.

O conjunto de compreensões coligidas nesta sinopse da vida, obra e heranças de São Francisco representa uma restaurada leitura da sua existência, delineada com naturalidade, elegância elocutória e sem afetação, acessível a plurais leitores desde regular escolaridade, ao estabelecer, sob o modus faciendi apropriado pelos adeptos do Poverello di Assisi, as ligações com o comportamento hodierno, optante pelo TER em detrimento do SER, conduta diametralmente adversa àquela por ele escolhida para sua trilha terrestre.

Mesmo sem aditar outros pareceres e doutrinas, os quais já restaram expressos num universo temporal de quase oito centúrias, é este um texto grandioso, de ensinamento oportuno, num momento de notável influxo das percepções equívocas por parte do imenso contingente social, e que, com toda a convicção, fará brilhar os olhos e altear o pensamento de quem se presentear com o enleio de sua leitura.

Como no título latino desde comentário, então, elevemos nossos corações!

– Sursum Corda!

Compartilhar

Fundada a 28 de outubro de 1977 Rua do Rosário, 1 – Centro CEP 60055-090 Fortaleza – Ceará – Brasil

ACADEMICOS

INSTITUCIONAL

TEXTOS