ACADEMIA CEARENSE DA
LíNGUA PORTUGUESA

dulcisonam et canoram linguam cano

Três poemas de Gorete Oliveira

Maria Gorete Oliveira de Sousa Oliveira

GORETE OLIVEIRA, membro titular da Academia Cearense da Língua Portuguesa – Cadeira nº 1

FLOR DO CERRADO

For do cerrado,
quem te deixou sem namorado?
Quem ainda não te viu, flor do cerrado?
tanto recato dentro do mato!
Quem não te viu não descobriu
quanta poesia se faz de um dia.
Um dia em que sorris despida ao sol,
e um beija-flor aventureiro vem roubar teu cheiro.
Teu vermelho sangra o verde desse mato
como o sangue de donzela o lençol branco.
Tua graça virgem se guarda sob o céu
como lábios de nubente sob o véu.
Ciumento de ti, esse cerrado, teu guardião,
faz de ti seu poema de beleza e solidão.

Brasília, 5 de maio de 2015

AMARELO E AVESSO

Meu amarelo pé-de-chinelo,
Meu brinquedinho de montar,
Boneco de pano e fita;
Por fora é de seda,
Por dentro é de chita.
Meu amarelo polichinelo,
Meu brinquedinho de abrir,
Caixa de segredo tagarela;
Antes era saltimbanco,
Agora banco sem salto.
Meu amarelo violoncelo,
Meu brinquedinho de encaixar,
Arco em corda de violino;
De longe era gigante,
De perto virou menino.
Meu amarelo caramelo,
Meu brinquedinho de exibir,
Alegria de arlequim;
De casca é curto e grosso,
Sem roupa é bala de festim.

Fortaleza, 30 de agosto de 2013.

BURRO QUANDO FOGE

Não sou a negra
Não sou a branca
Minha cor é burro quando foge.
Não sei de bruxaria
Não sei de homilia
Minha fé é artesania.
Não tenho fetiche
Não tenho carisma
Meu encanto é filosofia.

Fortaleza, 25 de setembro de 2014

Compartilhar

Fundada a 28 de outubro de 1977 Rua do Rosário, 1 – Centro CEP 60055-090 Fortaleza – Ceará – Brasil

ACADEMICOS

INSTITUCIONAL

TEXTOS