Morre o Prof. Genuíno Sales, um apaixonado pela Educação

Faleceu sábado passado, 29 de setembro, aos 80 anos, o Prof. Genuíno Sales, ocupante da cadeira nº 23 da Academia Cearense da Língua Portuguesa, entidade que presidiu em duas ocasiões: entre 1994 e 1998, e de 2006 a 2008. Genuíno era membro, igualmente, da Academia Cearense de Letras (ACL), onde ocupava a cadeira nº 9, e sócio correspondente da Academia Piauiense de Letras no estado do Ceará. O sepultamento realizou-se, às 18 horas, no Cemitério Parque da Paz.

Genuíno Francisco de Sales nasceu em Pedro II, Piauí, no dia 15 de abril de 1938. Bacharel pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará, em 1966, graduou-se em Letras, pela Universidade Estadual do Ceará, em 2001.

Foi professor de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira de vários colégios de Fortaleza. Também atuou como Diretor de Ensino da Organização Educacional Faculdade Farias Brito. Em seu discurso de posse na ACL, confessou: “Profissional da educação – tenho aprendido no Ceará mais do que ensinado. Ousei tornar-me professor do ensino médio porque amo a educação da juventude – meu maior ideal – minha induvidosa vocação. Há 50 anos vivo a emoção da certeza de que quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. A juventude é a fase mais formosa da vida, é a vida no seu maior esplendor. A essência de todos os seus encantos. O vaticínio da perenidade do amor entre os homens.”

Poeta e contista, publicou os seguintes livros: Bem na safena, 2000; EntreMentes (poesias), 2003; Análise sintática (Caderno do Genuino), 2003; Os sertões, 2003; e Fins d´Água, 2005.

Prêmios, títulos e condecorações: I Concurso Ceará de Literatura, no gênero conto; título de Cidadão Cearense; Medalha do Mérito Renascença em grau de Oficial, do governo do estado do Piauí; Intelectual do Século, outorgado pela Prefeitura Municipal de Pedro II, Medalha do Mérito Cultural, conferida pela Câmara Municipal de Pedro II e notório saber pela Universidade Estadual do Ceará. Ingressou na Academia Cearense de Letras no dia 29 de junho de 2006, ocasião em que foi saudado pela acadêmica Giselda Medeiros.

A seguir, transcrevemos aquele que Genuíno, certa ocasião, considerou seu melhor poema:

PRESENÇA

Eu gosto de não te ver
para não sentir em vão
com tua presença esquiva
o pecado inevitável.

Eu gosto de não te encontrar
para não sofrer a tentação
do irrealizável.

Mas mesmo sem querer te vejo
e mesmo sem querer te encontro.
E se te vejo peco.

E se te encontro sofro
sofro e peco
porque a tua presença onírica
é a volúpia de minha solidão
na certeza do impossível
em que pulveriza meu sonho.

Um dia sem poesia: morre Horácio Dídimo, o “afinador de palavras”

Faleceu a zero hora desta segunda-feira, 3 de setembro, em Fortaleza, o poeta e professor Horácio Dídimo, ocupante da Cadeira nº 33 da Academia Cearense da Língua Portuguesa. Intelectual de grandes méritos, Horácio também era membro da Academia Cearense de Letras, Academia de Letras e Artes do Nordeste, Academia Brasileira de Hagiologia, Academia de Ciências Sociais do Ceará e da Associação Brasileira de Bibliófilos. Também era sócio honorário da Academia Fortalezense de Letras e sócio correspondente da Academia de Letras e Artes Mater Salvatoris, de Salvador/BA.

O corpo do Poeta está sendo velado na Comunidade Face de Cristo (Rua Dr. Edmilson Barros Oliveira, 191 – Dionísio Torres), onde às 14:00h será celebrada Missa de Corpo Presente. O sepultamento ocorrerá no Cemitério de São João Batista, às 16:00h.

Horácio Dídimo Pereira Barbosa Vieira nasceu, em Fortaleza, no dia 23 de março de 1935. Bacharel em Direito pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro e em Letras pela Universidade Federal do Ceará. Conquistou os títulos de mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Federal da Paraíba e de doutor em Literatura Comparada pela Universidade Federal de Minas Gerais. Era professor de Literatura Brasileira e Literatura Infantil da UFC.

Poeta, com vários livros publicados no campo da poesia, ensaio e literatura infantil. Sânzio de Azevedo, comentando sobre sua obra, disse que “Horácio Dídimo se realiza no poema curto, não necessitando de muitas palavras para transmitir sua mensagem, luminosa como a que recebe de sua estrela amiga”.

Principais publicações: Tempo de chuva, 1967 (premiado); Tijolo de barro, 1968 (premiado); O passarinho carrancudo, 1980; A palavra e a Palavra, 1980; A nave de prata, 1991; Ficções lobatianas, 1997; A estrela azul e o almofariz, 1998; e A nave de rubi, 2006; O afinador de palavras, 2013. Autor do ensaio sobre Manuel Bandeira: Estrela da vida inteira, 1996.

UM POEMA DE HORÁCIO DÍDIMO (“O afinador de palavras”, pág. 226)

MORRER

morrer todo mundo morre
morre hoje morre amanhã
até o sol há de morrer um dia
um dia sem dia
sem poesia
sem astronomia

morrer todo mundo morre
morre hoje morre amanhã
mas quem é que quer morrer?
ninguém
nem agora
nem na hora de nossa morte
amém

Santa Maria, mãe de Deus,
rogai por nós
também

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DE 29/01/2018

Aos vinte e nove dias do mês de janeiro de dois mil e dezoito, no Palácio da Luz, situado na Rua do Rosário, número um, em Fortaleza, a Academia Cearense da Língua Portuguesa realizou sua primeira reunião ordinária do ano, com a presença dos acadêmicos Maria Gorete Oliveira de Sousa (Cadeira nº 1), Francisco Felipe Filho (Cadeira nº 2), Antônio Vicente Alencar (Cadeira nº 11), Ana Paula de Medeiros Ribeiro (Cadeira nº 12), José Myrson Melo Lima (Cadeira nº 14), Giselda de Medeiros Albuquerque (Cadeira nº 16), Italo Gurgel (Cadeira nº 17), Marcelo Braga (Cadeira nº 18), Sebastião Valdemir Mourão (Cadeira nº 19), José Ferreira de Moura (Cadeira nº 20), Regina Barros Leal (Cadeira nº 24), João Soares Lobo (Cadeira nº 25), Roberto Feijó Ribeiro de Sousa (Cadeira nº 30), Ana Vládia Mourão de Oliveira (Cadeira nº 32), Révia Lima Herculano (Cadeira nº 34), José Batista de Lima (Cadeira nº 36), João Vianney Campos de Mesquita (Cadeira nº 37), Sebastião Teoberto Mourão Landim (Cadeira nº 38), Paulo Sérgio Lobão da Costa (Cadeira nº 39) e Raimundo Evaristo Nascimento dos Santos (Cadeira nº 40). Justificaram ausência os acadêmicos Genuíno Sales, Cid Carvalho, Mário Barbosa, Maria Margarete, Regine Limaverde e Maria Elias. Registrou-se, ainda, a presença dos seguintes visitantes: o Associado Correspondente Cláuder Arcanjo, a senhora Conceição Lôbo, Frei Hermínio Bezerra de Oliveira, Zacharias Bezerra de Oliveira, Francisco Vicente de Paula Júnior, João Paulo Eufrázio de Lima, Raimundo de Assis Holanda e Ana Patrícia Maciel Holanda. Na abertura da reunião, foi feita a leitura da ata da reunião ordinária de vinte e oito de novembro de dois mil e dezessete, que recebeu aprovação, tendo sido assinada pelos acadêmicos presentes. Na sequência, o Segundo Secretário, Italo Gurgel, apresentou a correspondência recebida: exemplares da publicação “Binóculo”, edições de novembro, dezembro e janeiro; “Minha Universidade, minha vida”, livro de memórias do Professor Roberto Cláudio Frota Bezerra, escrito em colaboração com o acadêmico Italo Gurgel; “Jornal da UFC” e “Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal”. No segmento Hora do Vernáculo, Marcelo Braga discorreu sobre os vocábulos “tipo” e “claro” como marcadores discursivos; Vianney Mesquita apresentou o texto “Remédio para barata” e João Soares Lobo analisou o poema “Os castelos”, de Fernando Pessoa, sugerindo que nele se registra o maior acúmulo de oxímoros, por verso, em língua portuguesa. Abrindo os Informes, o Presidente Valdemir Mourão lembrou que aquela era a penúltima sessão realizada na presente gestão e que, em fevereiro, dar-se-ía a eleição e posse da nova Diretoria. Agradeceu o apoio dos acadêmicos ao longo dos dois biênios administrativos em que esteve à frente da Academia e apontou como uma das principais realizações deste período a reforma do Estatuto e a elaboração do Regimento, ao cabo de longas e profícuas discussões. Assinalou que, em seu período, nenhum processo decisório foi monocrático e que, em todas as decisões tomadas nos últimos quatro anos, exercitou-se a práxis democrática, que impõe a discussão, a votação e a entronização da vontade majoritária. Em seguida, Regina Barros Leal lamentou a intenção externada por alguns acadêmicos de renunciarem à sua cadeira, dada a impossibilidade de participar das sessões ordinárias, nos dias e horários costumeiros. A discussão que se seguiu, sobre eventual mudança no calendário das sessões, resultou inconclusiva, tendo o Presidente solicitado aos acadêmicos Myrson Lima, Batista de Lima e Vianney Mesquita que intermediassem uma solução. Abrindo o capítulo da Ordem do Dia, Valdemir Mourão solicitou ao acadêmico Francisco Felipe Filho que apresentasse o parecer da comissão emcarregada de analisar a candidatura de Francisco Anizeuton de Sousa Leite a Correspondente da ACLP na cidade de Jucás. Diante do parecer positivo, a proposta foi aprovada por unanimidade. Presidida por Francisco Felipe,  compunha, ainda, a comissão o Vice-Presidente Myrson Lima e a acadêmica Maria Gorete Oliveira de Sousa. Encerrada a pauta formal, o Presidente cedeu a palavra ao Frei Hermínio Bezerra de Oliveira e ao Professor Assis Holanda, que externaram o propósito de se candidatarem a uma cadeira na Academia. Frei Hermínio distribuiu, entre os presentes, três publicações de sua autoria: “O III Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa”, “Acordo Ortográfico” e “Palavras que mudam de significado”. Ao encerrar a sessão, o Presidente convidou a todos para o Lanche das Cinco, no Salão Nobre da Academia Cearense de Letras, ocasião em que seriam saudados os aniversariantes do mês de janeiro. Dentre eles, o único presente era o Professor José Ferreira de Moura. Nada mais havendo a registrar, eu, Italo Gurgel, Segundo Secretário, lavrei esta ata, para que seja lida, discutida e, em caso de aprovação, assinada. Fortaleza, vinte e nove de janeiro de dois mil e dezoito.

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DE 28/11/2017

Aos vinte e oito dias do mês de novembro de dois mil e dezessete, no Palácio da Luz, situado na Rua do Rosário, número um, em Fortaleza, a Academia Cearense da Língua Portuguesa realizou sua reunião ordinária mensal, com a presença dos acadêmicos Maria Gorete Oliveira de Sousa (Cadeira nº 1), Francisco Felipe Filho (Cadeira nº 2), José Augusto Bezerra (Cadeira nº 9), Antônio Vicente Alencar (Cadeira nº 11), Maria Margarete Fernandes de Sousa (Cadeira nº 13), José Myrson Melo Lima (Cadeira nº 14), Giselda de Medeiros Albuquerque (Cadeira nº 16), Italo Gurgel (Cadeira nº 17), Marcelo Braga (Cadeira nº 18), Sebastião Valdemir Mourão (Cadeira nº 19), Regina Barros Leal (Cadeira nº 24), João Soares Lobo (Cadeira nº 25), Ana Vládia Mourão de Oliveira (Cadeira nº 32), Révia Lima Herculano (Cadeira nº 34), João Vianney Campos de Mesquita (Cadeira nº 37), Sebastião Teoberto Mourão Landim (Cadeira nº 38) e Raimundo Evaristo Nascimento dos Santos (Cadeira nº 40). Justificaram ausência os acadêmicos Genuíno Francisco de Sales, Cid Carvalho, Regine Limaverde, Roberto Ribeiro, Aíla Maria, Maria Elias, Batista de Lima, Hermínia Lima, Ana Paula de Medeiros, José Lemos Monteiro, Carlos d’Alge e Mário Barbosa. Na abertura da reunião, foi feita a leitura das atas da reunião ordinária de vinte e oito de setembro e da sessão solene de vinte e sete de outubro, sendo ambas aprovadas e assinadas pelos acadêmicos presentes. Ao abrir o expediente, o Presidente Valdemir Mourão apresentou a correspondência recebida, que constou de: a) convites para solenidade da Academia Cearense de Engenharia; lançamento dos livros “Um perfume chamado Dri”, “Eu acho que vi um fantasma” e “Como calar a boca de um dragão”, do associado correspondente João Paulo Hergesel; lançamento do livro “Padre Palhano”, de César e Saulo Barreto; lançamento de “A cidade de Ulisses”, da escritora portuguesa Teolinda Gersão; lançamento de “Dona Augusta Fideralina”, do escritor Dimas Macedo; lançamento do folheto “60 anos de Adirson escrevendo Brasília”; evento da Grande Loja Maçônica do Estado do Ceará e jantar da Associação Brasileira de Bibliófilos; b) publicações – “Binóculo”, “Cândido” e “Jornal da UFC”; c) mensagens do Reitor Henry Campos, da Universidade Federal do Ceará; do Presidente da Academia Cearense de Letras, Ubiratan Aguiar; do Senador Tasso Jereissati; do Dr. Flávio Leitão e de Enio Gomes da Silva. Iniciando os informes, o Presidente comunicou que a família de Sinésio Cabral fez doação, à ACLP, da coleção de boletins da Academia que constava do acervo do saudoso confrade. Também comentou sobre a confraternização da ACLP, agendada para o dia treze de dezembro, no Café Couture. Anunciou que os acadêmicos em dia com a Tesouraria teriam abatimento no valor da adesão e antecipou que todos receberiam medalha comemorativa dos quarenta anos da Academia. Ana Vládia apresentou, em detalhes, o menu a ser servido e deu outros esclarecimentos sobre o local do evento. Teoberto Landim fez saber do lançamento da chapa “Todos pela ACLP”, por ele encabeçada e que postula a condução da Academia no biênio dois mil e dezoito a dois mil e vinte. Vicente Alencar informou sobre a confraternização natalina da Academia Fortalezense de Letras, no dia seis de dezembro, bem assim sobre o lançamento da vigésima-terceira edição da revista “Literapia” e do livro “Recursos Hídricos do Ceará, do engenheiro Cássio Borges. Retomando a palavra, o Presidente Valdemir Mourão fez uma avaliação da solenidade de vinte e sete de outubro, no Teatro Nila Gomes de Soárez. Lamentou que a Unifor não tenha enviado representante para receber a homenagem prestada pela Academia (in memoriam) ao Chanceler Airton Queiroz. Informou que a Medalha do Mérito Cultural Hélio Melo, a ele destinada, foi entregue, posteriormente, por uma comissão formada pelos acadêmicos Vicente Alencar, Aíla Sampaio, Batista de Lima e Hermínia Lima. Teoberto Landim referiu-se ao grande êxito em que se constituiu a sessão solene, que considerou uma apoteose, com a presença de vinte e cinco acadêmicos. Também foi formada comissão para avaliar as candidaturas a acadêmico correspondente. Integram-na Francisco Felipe Filho, na condição de Presidente, Myrson Lima e Maria Gorete Oliveira de Sousa. Na sequência, Myrson Lima apresentou-se na Hora do Vernáculo, discorrendo sobre o gerúndio. No segmento da Ordem do Dia, o Presidente propôs a concessão do título de Acadêmico Honorário a Luís Tavares Júnior e Roberto Ribeiro. Decidiu-se que ambos seriam consultados sobre a proposta. Esgotada a discussão de todos os itens da pauta, o Presidente Valdemir Mourão encerrou a reunião convidando a todos para o “Lanche das Cinco”, em que seriam homenageados os aniversariantes de outubro e novembro: Ana Paula de Medeiros, João Soares Lobo, Roberto Ribeiro e Révia Herculano. Nada mais havendo a registrar, eu, Italo Gurgel, Segundo Secretário da ACLP, lavrei esta ata, para que seja lida, discutida e, em caso de aprovação, assinada. Fortaleza, vinte e oito de setembro de dois mil e dezessete.

Revista “Vernáculo” nº 14 – Critérios de participação

VERNÁCULO – REVISTA DA ACADEMIA CEARENSE DA LÍNGUA PORTUGUESA

Ano 41 – Nº 14 – 2018

A participação na edição de 2018 da revista VERNÁCULO atenderá ao que determina o Regimento da ACLP:

CAPÍTULO XII
Da revista impressa e da página eletrônica

Art. 64. A ACLP editará uma revista, intitulada Vernáculo, com periodicidade anual, cabendo ao Diretor de Publicação e Marketing a responsabilidade pela edição. 

Art. 65. O Presidente designará, no início do período administrativo, uma Comissão de Editoração, à qual caberá selecionar os textos a serem publicados. 

Art. 66. Os custos de editoração e impressão serão cobertos pelos acadêmicos que tiverem trabalhos publicados, partilhando-se as despesas proporcionalmente ao número de páginas ocupado pelo seu texto. 

Parágrafo único – A critério do Presidente, a Academia poderá arcar com parte das despesas de impressão na Revista dos trabalhos apresentados nas sessões ordinárias na Hora do Vernáculo. 

Art. 67. O Diretor de Publicação e Marketing se ocupará da distribuição, destinando, aos acadêmicos autores de artigos, a quantidade de exemplares previamente acordada e, aos demais, um exemplar. 

Art. 68. A ACLP manterá uma página eletrônica na internet, operada pelo Presidente ou por um acadêmico por ele designado, a fim de postar, unicamente, informações de caráter institucional, envolvendo a entidade e seus membros.

Parágrafo único – Será reservado espaço para a transcrição do currículo dos associados efetivos, bem como de sua produção intelectual.

Adicionalmente, serão observados os seguintes critérios:

  • Serão aceitos, para publicação, artigos e ensaios com temática voltada para a Língua Portuguesa (que ocuparão um mínimo de 50% do espaço), além de textos literários. Assim se reflete a multiplicidade de gêneros cultivados pelos membros da ACLP, entidade que agrega professores de português e literatura, gramáticos, cronistas, contistas, ensaístas, poetas, jornalistas e outros cultores do vernáculo.
  • Somente serão acolhidos trabalhos de autoria dos acadêmicos (associados efetivos, correspondentes, beneméritos ou honorários).
  • É imperativo que se trate de trabalho inédito em livros, jornais e revistas. Não importa, por outro lado, que já tenha sido publicado em meio digital, como a página eletrônica da ACLP.
  • As colaborações devem ser transmitidas ao Diretor de Publicações e Marketing, acadêmico Italo Gurgel, através de e-mail (italogurgel@yahoo.com.br), até as 24 horas do dia 20 de julho de 2018. O envio formaliza a adesão do autor e a esta edição, bem como a plena aceitação das presentes normas.
  • A participação neste número da revista implica uma contribuição correspondente a R$ 100,00 (cem reais) por página total ou parcialmente preenchida, limitando-se, a cada acadêmico, um máximo de 5 (cinco) laudas em papel A4, com o texto impresso na fonte Times New Roman, corpo 12, espaçamento 1,5 (uma linha e meia), com margens superiores e inferiores de 2,5 (dois e meio) centímetros e laterais de 3 (três) centímetros.
  • Caso não se arrecadem os recursos necessários, a ACLP complementará os custos de impressão.
  • Cada participante receberá 10 (dez) exemplares da revista, independentemente do número de páginas apresentado. Aos não participantes, será destinado 1 (um) exemplar.
  • O valor do exemplar para venda avulsa será definido pelo Presidente.
  • Na busca de padronização, nesta edição, a revista terá as mesmas dimensões do número publicado em 2017 e o mesmo projeto gráfico. Serão dispensadas, porém, capa dura e ilustrações.
  • Os textos apresentados serão avaliados por uma Comissão Editorial formada pelos acadêmicos Maria Gorete Oliveira de Sousa, Italo Gurgel e Sebastião Valdemir Mourão.
  • Os autores arcarão com todo o ônus advindo de a erros eventuais, falsas informações, omissões, ou questões ligadas à propriedade intelectual.
  • É imperativo que os textos tenham passado, com antecedência, pela mais rigorosa revisão ortográfica e de conteúdo, não se responsabilizando a ACLP por qualquer falha nesses quesitos.
  • O Editor adicionará um prefácio, de autoria do Presidente, além da relação de acadêmicos e dos membros de todas as diretorias.
  • O lançamento da nova edição da revista fica agendado para o mês de outubro de 2018, de modo a coincidir com o 41º aniversário da Academia.
  • Estas normas foram revisadas e aprovadas na reunião ordinária de junho de 2018.

 

Academia Ipuense convida para a nova edição de sua revista

A Academia Ipuense de Letras, Ciências e Artes prepara o lançamento do nº IX de sua revista – “Ipu na Ibiapaba”. A publicação observará todas as formalidades, incluindo registro no ISBN, código de barras e depósito na Biblioteca Nacional. Prevê-se, igualmente, distribuição para todo o Brasil e outros países.

De acordo com o convite lançado pela entidade, todo acadêmico, ou convidado por acadêmico, poderá participar dessa edição, que reunirá ensaios, artigos em quaisquer modalidades, poemas, contos, etc. Não há limite de páginas, mas deve-se observar as seguintes condições:

  1. O acadêmico deverá estar quite com a Academia Ipuense até 30 de agosto de 2018, para fazer jus à gratuidade de 1 página ou 1/2 folha A4, totalizando, no máximo, 15 linhas, que serão pagas com a arrecadação das contribuições mensais dos acadêmicos. O trabalho que exceder a uma página será pago conforme o item 3 (abaixo).
  2. O acadêmico inadimplente e o convidado pagarão todas as páginas publicadas.
  3. Cada folha A4, letra Times New Roman ou Arial, tamanho 12, espaço 1.5, máximo de 30 linhas por folha, corresponde a 2 (duas) páginas do livro e custará R$ 100,00 (cem reais), que poderão ser pagos à vista, no ato da entrega dos originais em CD, pen-drive ou por e-mail ou ser parcelado em até 2 vezes, desde que seja quitado até 30 de setembro de 2018. Cada participante poderá incluir entre as 30 linhas até 10 linhas de informação curricular do autor, com foto, se preferir.
  4. A entrega dos originais deve ser via e-mail valdemirmourao@yahoo.com.br, em CD ou em pen-drive e poderá ser feita ao acadêmico coordenador da obra, Sebastião Valdemir Mourão. Poderá, ainda, ser enviado pelo correio para o endereço da Academia Cearense de Letras: Rua do Rosário, nº 1, Palácio da Luz – Centro, Cep: 60.055-090. Neste caso, enviar também o comprovante de pagamento correspondente ao número de páginas da sua participação na obra.
  5. Todos os participantes com artigos na revista receberão 4 (quatro) livros por folha A4 paga e publicada, e cada participante com página gratuita poderá comprar 1 (um) exemplar a preço de custo. Qualquer autor de matéria poderá comprar exemplares ao preço de R$ 25,00 (vinte e cinco reais) a unidade.
  6. Se a cota não alcançar o valor a ser pago, será complementado por um patrocinador que ficará com os exemplares restantes e não pagos, destinando 10 (dez) exemplares para a Academia.
  7. A participação será confirmada com a entrega de cópia do comprovante de pagamento e com a entrega do trabalho até 30 de agosto de 2018. Após essa data, não será possível acrescentar trabalhos por impossibilidades editoriais.